Veja dicas de estudo para concurso da Anatel para nível médio e superior

Lia Salgado fala sobre pontuação nas provas objetiva e discursiva.

Na próxima sexta-feira (11) serão abertas as inscrições para o concurso da Anatel, que vão até 1º de agosto. O concurso oferece 100 vagas de nível médio e superior, todas em Brasília. Desse total, 5% são reservadas para pessoas com deficiência e 20% para negros.

O concurso anterior foi em 2012 e ofereceu 46 vagas. Foram 51.441 candidatos inscritos, uma média de 1.118,28 candidatos por vaga. Portanto, a disputa é acirrada.

Faço aqui um apanhado das principais dicas e informações para ajudar quem concorrerá a um dos cargos com salários que vão de R$ 5.418,25 a R$ 11.403,90. Mas é muito importante ler todo o edital antes de fazer a inscrição.

Mande dúvidas sobre concursos no espaço para comentários; perguntas selecionadas serão respondidas em coluna quinzenal

Você deverá escolher o cargo e a especialidade ao se inscrever. É possível concorrer nos dois níveis (médio e superior), já que as provas acontecerão em horários distintos. Cabe apenas o alerta de que o cansaço será maior e poderá atrapalhar o desempenho.

Como é o processo

A banca examinadora é o Cespe/UnB, a mesma de concursos anteriores da agência. O concurso constará de provas objetivas e discursiva para nível superior e prova objetiva para nível médio.

As provas objetivas terão itens para julgamento ?certo? e ?errado?, sendo que cada marcação incorreta valerá um ponto negativo, como é praxe em concursos dessa banca.

Os candidatos de nível superior aprovados na primeira etapa participarão também de prova de títulos (somente classificatória) e os classificados dentro do número de vagas, do curso de formação.

As provas estão previstas para 14 de setembro, no turno da manhã para nível superior, e no turno da tarde para nível médio. Todas as etapas serão realizadas em Brasília.

Conteúdo para nível superior

O edital surpreende ao retirar do conteúdo programático básico as disciplinas de direito constitucional, direito administrativo, ética e informática. Os conhecimentos básicos valerão 50 pontos e terão questões de português, inglês e conteúdo relativo a agências reguladoras. Com isso, o diferencial ficará por conta dos conhecimentos específicos de cada cargo, que valerão 70 pontos no total. A prova discursiva constará de uma dissertação e três questões, valendo 40 pontos.

Na avaliação de títulos serão aceitos documentos comprobatórios de doutorado, mestrado, especialização (carga horária mínima de 360 horas de aula), aprovação em concurso público de qualquer poder ou esfera, além de exercício de atividade profissional de nível superior (na administração pública ou na iniciativa privada), sempre referentes a conhecimentos relacionados à especialidade do cargo para o qual o candidato concorre. A pontuação máxima é de 3,8.

Para ser aprovado, o candidato de nível superior deverá fazer, no mínimo, 10 pontos na prova de conhecimentos básicos, 21 na prova de conhecimentos específicos e 36 no conjunto das provas objetivas.

A partir daí, os aprovados nas provas objetivas e classificados conforme quadro na página 17 e 18 do edital (seis vezes o número de vagas oferecidas) terão sua prova discursiva corrigida.

Os aprovados na discursiva e classificados até as posições indicadas no quadro das páginas 19 e 20 do edital (conforme Decreto 6.944/09) serão convocados para a avaliação de títulos. Os outros serão eliminados do concurso.

Aqueles que ficarem classificados dentro das vagas oferecidas no edital (item 4) serão convocados para a primeira turma do curso de formação.

Os outros ficarão em cadastro de reserva e poderão ser nomeados caso surjam vagas durante o prazo de validade do concurso, que será de um ano, podendo ser prorrogado por mais um.

Conteúdo para nível médio

No caso dos cargos de nível médio, foram retiradas do conteúdo básico as disciplinas de ética e informática. Permaneceram português, direito constitucional e direito administrativo (50 pontos no total), o que pode representar uma vantagem para quem já tem essas matérias bem sedimentadas. Os conhecimentos específicos variam de acordo com o cargo e valerão 70 pontos no total.

Os critérios para aprovação na prova objetiva são os mesmos do nível superior: mínimo de 10 pontos na prova de conhecimentos básicos, 21 na prova de conhecimentos específicos e 36 no total das duas.

Dos aprovados, aqueles que ficarem classificados de acordo com o quantitativo estabelecido no Decreto 6.944/09 (ver quadro no item 12.7.1 do edital) estarão no cadastro de reserva. Os candidatos classificados dentro do número de vagas oferecidas no edital têm a garantia de nomeação dentro do prazo de validade do concurso. Aqueles que ficarem classificados fora das vagas, mas até a posição estabelecida (no quadro na página 25 do edital), permanecem no cadastro de reserva e poderão ser nomeados, caso surjam vagas durante a validade do concurso. Os outros serão eliminados.

Dicas de estudo

Não há número de questões definido por disciplina. Assim, não há como determinar com precisão o tempo de estudo a ser destinado a cada matéria. Mas alguns critérios são úteis para planejar a distribuição de tempo.

O conteúdo de conhecimentos básicos valerá 50 pontos. O de conhecimentos específicos, 70 pontos e, na prova para cargos de nível superior, a discursiva também versará sobre estes assuntos, para os quais você deve ficar muito bem preparado.

Se tem muita segurança em alguma matéria, você não deve deixá-la de lado, e sim buscar a excelência. Assim, se já acerta 90% das questões de português, por exemplo, treine para acertar 100%. O esforço não será muito grande e isso pode fazer a diferença na pontuação final, ainda mais em uma prova na qual marcações incorretas descontam pontos.

Não gaste muito tempo com temas complexos e de difícil compreensão. Não fique questionando muito e não se perca em pesquisas intermináveis. O tempo agora é limitado e deve ser muito bem aproveitado. Se você conseguir estudar muitos assuntos, terá mais chances de se sair bem na prova.

Resolver todas as questões de concursos anteriores da Anatel é essencial. Além disso, busque também provas elaboradas pelo Cespe para outras agências reguladoras e até para outros concursos de mesmo nível de escolaridade. Muita gente se assusta por causa do tipo de prova dessa banca, e alguns até desistem.

Reserve as duas últimas semanas antes da prova para revisar o que foi estudado. Isso é importante para recuperar o conhecimento e deixar todas as informações em condições de serem acessadas facilmente.

Carreira

A lei 10.871/04 trata das carreiras e cargos nas agências reguladoras. Os cargos podem ser de nível médio (técnicos em regulação e técnicos administrativos) ou de nível superior (especialistas em regulação e analistas administrativos).

Para os cargos de nível superior, há oportunidades para quem tem diploma em qualquer área de formação e outras para formações específicas.

Os aprovados ficarão sujeitos ao Regime Jurídico Único dos servidores civis da União (lei 8.112/90) e poderão adquirir estabilidade, desde que sejam cumpridos os requisitos legais.

Fonte: G1