Veja quais são as mentiras mais comuns que são encontradas nos currículos

Veja quais são as mentiras mais comuns que são encontradas nos currículos

Mais da metade (58%) dos gerentes de recrutamento dos Estados Unidos dizem que já acharam mentiras em um currículo. É o que mostra uma pesquisa do site CareerBuilder. Isso não é bem visto em um processo de seleção: 51% dos empregadores dizem que dispensam automaticamente um candidato que mente no currículo. Outros 40% dizem que depende da mentira e 7% podem relevar o caso se gostarem do candidato.

“Se você quiser melhorar o seu currículo, é melhor se concentrar em exemplos concretos de sua experiência real. Seu currículo não precisa ser necessariamente perfeito, mas ele precisa ser relevante e preciso”, afirmou, em nota, Rosemary Haefner, vice-presidente de RH do CareerBuilder. “A confiança é muito importante nas relações profissionais, e mentindo no currículo você viola essa confiança desde o início”, explicou.

A pesquisa foi realizada on-line com 2.188 gerentes de contratação e profissionais de RH nos Estados Unidos.

Veja abaixo quais são as mentiras mais comuns:

Habilidades: 57%

Responsabilidades: 55%

Data de empregos: 42%

Cargos: 34%

Nível acadêmico: 33%

Empresas em que trabalhou: 26%

Reconhecimentos e prêmios: 18%

Veja também quais são as mentiras mais memoráveis listada pelos recrutadores. Candidato inclui uma experiência de trabalho que era de seu pai. Os dois tinham o mesmo nome. O profissional afirmou ser assistente do primeiro-ministro de um país em que o cargo não existe. O candidato disse ter sido campeão de lance livre de basquete na escola. Durante a entrevista, ele admitiu que mentiu. O profissional afirmou ter sido medalhista olímpico. O entrevistado afirmou ter trabalhado como supervisor de construção. A experiência foi na construção de uma casa de cachorro. O candidato disse ter 25 anos de experiência. Ele tinha 32 anos de idade.

O profissional afirmou que trabalhou por 20 anos como babá de celebridades famosas como Tom Cruise e Madonna. O entrevistado listou seus três últimos trabalhos. O entrevistador entrou em contato com os locais e descobriu que ele não trabalhou mais de dois dias neles. Em um, ele nunca havia estado. O candidato se inscreveu para uma vaga em uma empresa que o havia demitido. O profissional se candidatou para o mesmo cargo duas vezes e apresentou históricos diferentes.

Fonte: Folha