Cor diferente da água preocupa população em bairros da zona Sul de Teresina

No último domingo, após o serviço ter sido interrompido por horas, moradores se depararam com uma água escura e de cheiro estranho que saía das torneiras

A cena já virou costume em residências do Bairro Saci, zona Sul de Teresina. Mesmo localizado em uma região mais baixa e a poucos metros de distância de uma Estação de Tratamento de Água mantida pela Agespisa, a falta de água no bairro é constante.

No último domingo, após o serviço ter sido interrompido por horas, moradores se depararam com uma cena inusitada ao abrirem as torneiras: uma água escura e de cheiro estranho escorria pelo ralo.

Apesar dos residentes estarem acostumados com a grande quantidade de cloro presente na água, esta foi a primeira vez que a presenciaram tão poluída.

“Estou acostumada com a falta de água, isso não é novidade aqui no Saci. Mas fiquei pasma quando abri a torneira e vi que uma água tão suja estava saindo pela torneira. Sorte que não estava tomando banho, pois teria ficado muito chateada se tivesse me molhado com aquela água suja.

Estava com uma coloração avermelhada que mais parecia ferrugem. Com certeza não era barro porque tinha um cheiro estranho. Já não basta ter de conviver com as frequentes faltas de água, agora tem que aturar a água suja que sai pelo cano”, revela a dona de casa aposentada Lúcia Almeida, que teve o imóvel reformado recentemente e todo o encanamento é novo.

A coloração amarronzada da água tem uma explicação técnica convincente. Ela ocorre quando os canos que fazem a distribuição estão oxidados, ou seja, enferrujados.

Quando falta água, o líquido acumulado nos canos entra em contato com a ferrugem e, quando a distribuição é retomada, a água suja com ferro é despejada torneira afora na casa das pessoas. Caso ingerida, a água representa risco para a saúde, já que causa tontura, dor de estômago e vômitos.

Além da água de coloração amarronzada, moradores do Bairro Saci dão conta da grande quantidade de cloro diluída na água. A mesma moradora relata que ultimamente a água tem saído com uma coloração esbranquiçada que mais parece leite. “Estou preocupada com os riscos, pois sei que cloro em excesso causa riscos à saúde”, diz.

Quando utilizados em níveis acima do permitido pelo governo, o cloro é altamente cancerígeno e pode causar uma série de efeitos colaterais, como doenças cardíacas e aterosclerose. O risco aumenta se a pessoa tiver contato com a água clorada durante o banho, pois a pele absorve a substância cinco vezes mais rápido.

Coloração notada após retomar abastecimento

Em nota técnica divulgada, a Agespisa informa que a alteração na cor da água fornecida aos moradores do bairro Saci ocorreu após um vazamento próximo à avenida principal.

O vazamento foi localizado no sábado (21) e corrigido no domingo (22). Ao retomar o abastecimento, após o serviço de correção, os sedimentos depositados nas tubulações foram arrastados, provocando a mudança temporária na coloração do produto.

A respeito das reclamações sobre o aspecto esbranquiçado, a Agespisa esclarece que o residual de cloro está dentro dos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

A alteração na cor da água ocorre por causa da pressão na rede de distribuição, que aprisiona o ar atmosférico, formando bolhas muito pequenas.

Quando a torneira é aberta, a pressão é liberada e as bolhas se desprendem, dando a impressão de que a água está branca. Esse efeito dura poucos segundos. No caso do Saci, a pressão na rede é maior devido à proximidade do conjunto com a Estação de Tratamento de água.

Para mais informações e reclamações de vazamentos e falta de água, os usuários podem ligar para o telefone 0800 086 8888. O serviço funciona 24 horas, inclusive nos feriados. A ligação é gratuita também de telefones celulares.

 

Fonte: Olegário Borges