Correntezas dificultam as buscas

Por enquanto o local está sendo monitorado por três navios mercantes que já estão no local

A forte correnteza no oceano Atlântico dificulta a busca de objetos localizados pela FAB (Força Aérea Brasileira) na manhã desta terça-feira. Foram localizadas poltrona, boia de cor laranja, tambor, querosene e óleo. Eles podem ser do Airbus A330 da Air France desaparecido desde domingo (31).

Por enquanto o local está sendo monitorado por três navios mercantes que já estão no local. Segundo o contato estabelecido pelos navios com a Marinha, nenhum dos objetos foi avistado.

Ao todo, três embarcações particulares-- sendo duas de bandeira holandesa e uma francesa estão a cerca de 650 km do arquipélago de Fernando de Noronha (PE), onde aviões da FAB localizaram os objetos.

Os navios mercantes foram mobilizados nesta terça-feira pela Marinha, seguindo as normas de um acordo internacional que garante que navios mercantes sejam desviados de sua rota para que auxiliem em buscas em acidentes com vítimas humanas.

Os três navios particulares estão autorizados a recolher o material. Eles, no entanto, terão que entregar os possíveis destroços aos navios da Marinha, que só devem chegar ao local nesta quarta-feira. Pela programação, o primeiro navio da Marinha deve chegar por volta das 11h de amanhã. Ao todo, serão cinco navios do governo nesta operação.

Ao recolher as peças, elas serão analisadas em busca de um código de série para saber se são do Airbus que fazia o voo AF 447 com 228 pessoas a bordo --216 passageiros e 12 tripulantes. Entre os ocupantes do voo desaparecido estão 58 brasileiros, de acordo com a companhia aérea.

A Aeronáutica informou, no entanto, que a quantidade de material encontrado até agora é pequena se comparada ao porte do jato e não permitem avaliar se houve alguma tentativa de retorno da aeronave ao Brasil.

Se confirmadas que as peças pertencem ao aparelho as equipes vão redirecionar os seus trabalhos para resgate de outras partes do Airbus que possam indicar o que ocorreu no voo AF 447.

Ainda não há informações se as investigações sobre as causas do sumiço do avião serão de responsabilidade do governo brasileiro. O assunto ainda será discutido pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br