Cresce número de alunos de fora nas universidades piauienses pelo Sisu

Com a inserção das universidades piauienses no Sistema de Seleção Unificado (Sisu), alunos de outros Estados são mais evidentes

Ana Cinara Linhares, assim como outros estudantes do Ceará, tinha o plano de se graduar na Universidade Federal do Ceará (UFC) ou na Universidade Estadual do Ceará (UECE), mas algo não deu certo. No caso da cearense, que queria cursar medicina veterinária, o curso não era ofertado na UFC, apenas na UECE, e nesta, fez o vestibular, mas não conseguiu êxito.

Além do vestibular, Ana havia feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e descobriu que o curso que tanto queria era ofertado no Piauí.

"Antes de saber que tinha, eu não tinha planos em vir para o estado, até mesmo porque eu não conhecia ninguém, apenas uma prima que já não via há alguns anos. Mas resolvi arriscar pela vontade de fazer meu curso", comenta a estudante de 20 anos.

A história de Ana Cinara é a mesma de milhares de estudantes do país, que resolvem arrumar as malas e seguir rumo a outros estados, em busca da tão sonhada vaga em um curso de graduação.

À medida em que o vestibular tradicional é deixado de lado e cresce a adesão das instituições ao Sistema de Seleção Unificado (Sisu), plataforma digital criada em 2010 pelo Ministério da Educação (MEC), o perfil da comunidade acadêmica de universidades e institutos federais tem mudado.

Pela internet, o Sisu classifica calouros a partir do desempenho no Enem, o que possibilita o ingresso de estudantes do Maranhão ou do Ceará em uma universidade do Sul, por exemplo. Em 2013, 13% dos estudantes aprovados pelo Sisu - cerca de 15 mil - se matricularam fora do seu estado de origem.

Em medicina, a mobilidade é maior: 47% mudam para outro estado para estudar. Os números foram divulgados recentemente pelo MEC. Até maio, 119 mil das 129 mil vagas oferecidas no começo do ano estavam ocupadas.

No Piauí, a situação também pode ser verificada.

Na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), os maranhenses, depois dos estudantes do Piauí, são a maioria. Os matriculados no Sisu em 2013, oriundos só do Maranhão, somam um total de 282 estudantes.

Ceará (114), Bahia (39), São Paulo (25) e o Distrito Federal (19) aparecem na sequência como os estados com um maior número de matriculados na UESPI.

O número de estudantes matriculados no curso de medicina, o mais concorrido da UESPI, com mais de cinco mil candidatos inscritos, 58,33% do total de matriculados são dos os estados limítrofes em relação ao Piauí (Maranhão, Tocantins, Bahia, Pernambuco e Ceará). A matrícula indicou que apenas 37,5% dos candidatos são oriundos do Estado do Piauí.

"Analisando o número de matrículas, percebe-se que parte das vagas dos cursos da UESPI foram obtidas por estudantes piauienses, o restante ficou com outros estados.

Mas isso acontece em todo o Brasil", explica o pró-reitor de Ensino e Graduação (PREG), professor Francisco Soares, ao ressaltar que muitos estudantes de fora procuraram a instituição, mas estes não superaram o número de alunos do Piauí. "Temos outros cursos em que piauienses ficaram com mais de 90% do total das vagas", completa.

O curso de Educação Física oferecido no Campus Poeta Torquato Neto (Teresina) foi o segundo curso mais concorrido da UESPI no SiSU 2013, sendo a licenciatura mais concorrida de toda a Universidade. Este foi o curso em que quase 90% dos estudantes matriculados são oriundos do Piauí.

9,23% das vagas foram preenchidas por estudantes do Maranhão e os outros 1,54% de estudantes do estado da Bahia. Os cursos de Engenharia Civil, Direito e Psicologia também tiveram a maioria das vagas (80%) preenchidas por piauienses.

Tal situação se dá da mesma forma em outras instituições. De acordo com a coordenação de estatística da Pró-Reitoria de Ensino da UFPI, os estados do Maranhão, Ceará e São Paulo, nesta ordem, respondem por 70% dos ingressantes de outros estados da federação na Universidade. Dentre estes o Maranhão é o recordista.

Depois do Sisu, muitas das vagas estão sendo ocupadas por alunos de outros estados. Hoje, uma média de 12% dos alunos da UFPI são de outros estados, sendo que esse dado é referente ao ano passado, já que dados deste ano ainda não estão disponíveis, visto que o processo de matrícula ainda está em andamento.

Fonte: Aline Damasceno