Criança não tem dinheiro para operar joelho fraturado em Boqueirão do Piauí

O menino, de dois anos de idade, está há mais de um mês com o joelho fraturado, necessitando do procedimento cirúrgico, mas sua família não tem condições financeiras para isso

Uma família da cidade de Boqueirão do Piauí está necessitando de ajuda para conseguir realizar a cirurgia do seu filho. O menino, de dois anos de idade, está há mais de um mês com o joelho fraturado, necessitando do procedimento cirúrgico, mas sua família não tem condições financeiras para isso. Para conter a dor, ele está a base de remédios.

No início de setembro, a motocicleta de seu avô caiu sobre a perna do menino, ele foi levado ao hospital e, após exames, o médico diagnosticou a fratura e a necessidade da cirurgia. A criança mora com os avós, que estão desempregados e não são aposentados. Diante disso, eles não possuem nenhuma renda e, portanto, não têm como arcar com as despesas da cirurgia, que, segundo eles, custa R$ 5 mil.

“Nós não temos dinheiro nem para comer. Estamos sobrevivendo com a ajuda de vizinhos, que nos doam cestas básicas e de algum bico que meu marido consegue. Mas esse não é um dinheiro certo e nem sempre ele tem esses bicos e nós ficamos dependendo da ajuda dos outros. Nem nossa família pode nos ajudar, pois mora longe de nós”, disse Rita Maria da Silva.

O avô do menino, Marisval Ferreira de Miranda, desempregado há seis meses, também faz um apelo para que os piauienses ajudem a família. “Nós precisamos de ajuda o mais rápido possível, pois quanto mais tempo passar, mais complicado fica para o meu neto. O médico já disse que não pode demorar muito. Nós não podemos fazer muita coisa, só pedir ajuda mesmo às pessoas de bem que queiram nos ajudar”, pontuou.

O casal, além de criar o neto, tem ainda mais cinco filhos. Além do dinheiro para a cirurgia, o casal também aceita qualquer tipo de ajuda, como alimentos, roupas, dentre outros. Para ajudar, os interessados podem entrar em contato pelo telefone 8127-9491 e falar com Josiane.

Clique aqui e curta a página do meionorte.com no Facebook

 

Fonte: Pollyana Carvalho