Crianças devem tomar 2ª dose de vacina contra paralisia infantil

No Rio e em São Paulo, os postos de saúde vão funcionar das 8h às 17h

Mais de 14,6 milhões de crianças de até cinco anos de idade devem ir aos postos de saúde neste sábado (14) para receber a segunda dose da vacina contra poliomielite, doença causada por vírus e que pode provocar paralisia e levar à morte. A vacina, teve a primeira dose da campanha deste ano distribuída no dia 12 de junho, é dada por via oral, por meio das famosas gotinhas.

Em São Paulo e no Rio, os postos vão atender das 8h às 17h. Para outros locais, é recomendável consultar a secretaria de saúde para saber do horário. A meta é imunizar aos menos 95% das crianças do país nessa faixa etária.

O Brasil não registra casos da doença desde 1989, mas é importante que as crianças recebam a dose para que o problema não volte. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 26 países ainda registram casos de poliomielite. Em países como Paquistão, Índia, Afeganistão e Nigéria há transmissão constante do vírus.

A vacina contra a paralisia infantil não tem contraindicações. Devem evitar a dose apenas as crianças imunodeprimidas (com sistema imunológico muito sensível), como aquelas que estão passando por tratamentos de quimioterapia ou radioterapia.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carmem Osterno, diz que "é a imunização que garante a não circulação do vírus selvagem da poliomielite no país".

? Por isso é tão importante vacinar as crianças nas duas etapas da campanha.

A vacina não apresenta contra-indicações, mas a recomendação é que crianças que estejam com febre acima de 38º ou com alguma infecção sejam avaliadas por um médico antes de receber a dose. Devem evitar a dose apenas as crianças imunodeprimidas (com sistema imunológico muito sensível), como aquelas que estão passando por tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou de HIV.

A poliomielite é uma doença infecciosa causada pelo poliovírus selvagem que pode atingir o sistema central e causar paralisia muscular ou até a morte.

Não há cura para a doença, mas existe um meio poderoso de prevenção: a vacina. Desde 1980 o Brasil faz campanhas anuais de vacinação contra a poliomielite, o que fez com que o último caso de infecção no país fosse registrado em 1989, na Paraíba. Em 1994, o país recebeu da OMS o certificado de eliminação da doença.

É possível tomar a dose durante todo o ano gratuitamente, por meio do SUS (Sistema Único de Saúde). Entretanto, é importante que as crianças de até cinco anos tomem as duas doses da campanha nacional anual, já que isso ajuda a proteger toda a população contra a doença. Isso porque o vírus presente na vacina, que é enfraquecido, dissemina-se no ambiente, aumentando a cobertura. Isso protege a comunidade como um todo.

Fonte: R7, www.r7.com