Déficit de perito faz piauienses esperarem dois meses por perícia no INSS

Em Teresina, embora a situação não seja tão grave como no restante do país, a demora chega a cerca de um mês.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA SEXTA-FEIRA (11) DO JORNAL MEIO NORTE

Realizar uma perícia médica no INSS, no Piauí, requer bastante paciência e disposição para esperar. O número insuficiente de profissionais, é responsável por uma demora de até dois meses na fila de espera, em alguns municípios piauienses. Em Teresina, embora a situação não seja tão grave como no restante do país, a demora chega a cerca de um mês.

Segundo o chefe da seção de Saúde do trabalho, no INSS, Cristóvão Alves, existem 11 agências no Piauí que não tem sequer um único perito. ?Essas são as agências mais novas, que foram abertas nesse projeto de expansão do INSS. Destas, três foram inauguradas esse ano, já as outras estão desde o ano passado sem profissionais dessa área?, afirmou. Segundo Cristóvão, a situação fica ainda mais complicada, se levarmos em consideração o fato de não haver nenhuma previsão para a realização de concurso público para preenchimento dessas vagas.

Ele explica que o número ideal, para uma agência de pequeno porte seriam dois peritos, mas isso não se cumpre. Existem casos até mesmo de agências de grande porte funcionando com apenas um profissional dessa área. As cidades de Floriano, Cristino Castro e Corrente são exemplos de agências que só possuem um perito. Já Teresina possui cinco agências e cada uma delas possuem cinco profissionais.

Fonte: Pollyana Carvalho