Dependentes químicos têm ajuda de grupos de apoio na capital piauiense

Não importa o tempo que o dependente químico vai precisar ficar internado para tratar a abstinência, ele sempre vai precisar de apoio quando sair

O tratamento da dependência química é sempre muito complexo e demorado. O período de internação, seja no hospital de referência álcool e drogas, nas clínicas ou em comunidades terapêuticas, representa apenas o início da luta pela sobriedade.

Não importa o tempo que o dependente químico vai precisar ficar internado para tratar a abstinência, ele sempre vai precisar de apoio quando sair. E é nesse momento que os grupos de ajuda se tornam importantes alicerces para manter o ex-usuário de drogas ?limpo? pelo restante da vida.

Na zona Leste, algumas iniciativas se propõem a ajudar dependentes químicos que passaram pelo tratamento ou que ainda estão buscando forças para iniciá-lo. Parentes, que também sofrem com usuários de drogas na família encontram apoio nos grupos de ajuda mútua localizados naquela região.

Um deles é o Grupo Esperança Viva, que tem reuniões todos os sábados a partir das 19h. O grupo de apoio faz parte do Projeto Fazenda Esperança, uma comunidade terapêutica que tem 80 unidades em todo o mundo. Lá, a metodologia de tratamento dos dependentes químicos tem como base o tripé convivência, trabalho e espiritualidade. No Piauí, a comunidade terapêutica funciona nos municípios de Oeiras e Campo Maior.

Segundo o coordenador do Grupo Esperança Viva, Vinicius Luz, a participação nas reuniões serve como apoio para quem já concluiu o tratamento de dependência química, seja na Fazenda da Esperança ou em outras instituições, ao mesmo tempo em que funciona como uma preparação para quem pretende entrar na comunidade terapêutica. ?O ápice do nosso encontro é a partilha de experiências, na qual cada um fala dos seus sentimentos e pode receber a ajuda de quem está ouvindo?, afirma Vinicius.

O pré-requisito para montar o grupo é ter apoio da Igreja Católica.

No caso do Esperança Viva, a Paróquia Nossa Senhora de Fátima é que viabilizou a realização das reuniões. Nos encontros semanais é feita a leitura do Evangelho, seguida de reflexões e apresentação de vídeos motivacionais.

Também na zona Leste, em frente à Igreja Católica da Avenida Nossa Senhora de Fátima, acontecem as reuniões do grupo de Narcóticos Anônimos. Tanto homens como mulheres podem participar às quintas e sextas-feiras, a partir das 19h.

Fonte: Nayara Felizardo