Descarte de pilhas e baterias não é adequado

A forma inadequada como são eliminados contamina o solo.

Apesar da aparência inocente e pequeno porte, as pilhas e baterias de celular são atualmente um problema ambiental e devem ter atenção especial de todos. Classificadas como resíduos perigosos e compostas de metais pesados altamente tóxicos e não-biodegradáveis, como cádmio, chumbo e mercúrio, depois de utilizadas, a maioria é jogada em lixos comuns e vai para aterros sanitários ou lixões a céu aberto.

A forma inadequada como são eliminados contamina o solo, os cursos d?água e o lençol freático, atingindo a flora e a fauna das regiões circunvizinhas. Durante muitos anos, devido ao pouco uso de aparelhos eletrônicos, não havia preocupação com a reciclagem de pilhas e baterias.

Mas com o passar do tempo e o avanço da tecnologia, esses materiais tornaram-se artigos relevantes no cotidiano e de fácil acesso, e seu descarte começou a preocupar pesquisadores, ambientalistas e autoridades.

Em Teresina, o lixo eletrônico não possui armazenamento adequado. Muitas pessoas dispensam o material junto ao lixo domiciliar, na coleta comum. ?É frequente o recebimento do lixo eletrônico; infelizmente todo esse lixo vai junto com o domiciliar. Dentre os produtos encontrados estão desde baterias de celular até monitores de computador?, conta Fernando Góis, gerente de uma empresa responsável pela coleta de lixo na capital.

Existem também na cidade pontos de coletas na rede de supermercados, onde o ?lixo eletrônico? recebe o encaminhamento adequado. A meta do supermercado é garantir a melhoria da qualidade de vida da população por meio do reaproveitamento do lixo reciclável. Através de suas estações de reciclagem as lojas permitem que os clientes depositem papel, plástico, metal, vidro, além de óleo de cozinha usado. O produto recolhido é encaminhado para cooperativas de reciclagem.

Fonte: Jornal Meio Norte