Detentas são capacitadas para o mercado de trabalho

A capacitação é feita através de parceria entre Sejus e Setre

Uma parceria entre a Secretaria de Justiça (Sejus) e a Secretaria de Trabalho e Empreendedorismo (Setre) está levando cursos profissionalizantes às penitenciárias do Piauí, por meio do programa Qualifica Piauí. Na Penitenciária Feminina de Teresina, 96 reeducandas estão participando de cursos de Embelezamento e Corte e Costura.

Para a interna Cristiana Mendes, o curso foi a única oportunidade de qualificação profissional que ela teve na vida. “Aqui, a gente esta aproveitando o tempo para aprender, ao invés de passarmos o dia ociosas. Eu nunca tive a oportunidade de fazer nada, mas agora eu quero exercer essa profissão e continuar estudando para ser cada dia melhor”, afirma.

Vanderlon Cardoso, gerente de Cursos Profissionalizantes da Diretoria de Humanização e Reintegração Social da Secretaria de Justiça, ressalta que a iniciativa é importante, justamente, por dar oportunidade para as reeducandas terem uma perspectiva de vida melhor.

“É uma chance a mais na vida dessas mulheres, aprendendo uma profissão e garantindo sua reintegração na sociedade, inclusive com uma vaga no mercado de trabalho. Nossa maior satisfação é observar a mudança no comportamento e personalidade dessas mulheres, na autoestima, na valorização da pessoa e, principalmente, ver que estamos oferecendo uma oportunidade real de mudança a elas”, pontua.

O programa Qualifica Piauí já beneficiou também os reeducandos da Colônia Agrícola Major César Oliveira, que foram capacitados no curso de Construção Civil. Em julho, a Secretaria de Justiça entregou os certificados de conclusão do curso a 32 internos da unidade. Muitos deles já estão trabalhando e os demais com expectativa de emprego. 

Segundo a diretora de Qualificação da Setre, Carla Soares, a experiência da profissionalização nas unidades penitenciárias tem gerado bons resultados para todos os envolvidos. A colaboração com o processo de ressocialização, de acordo com ela, é também uma das políticas da Secretaria de Trabalho e Empreendedorismo.

 “A Sejus cuida de toda parte de logística, estrutura, segurança dos profissionais, seleção e acompanhamento. A Setre entra com os instrutores, material didático e cursos. A receptividade dos cursos está sendo muito boa. Os resultados são ótimos por causa da vontade que estas mulheres têm de aprender, o que motiva  ainda mais os nossos instrutores”, diz Carla.


Image title

Image title

Image title

Fonte: Portal MN