Detentas são obrigadas a apagar tatuagens com cinzas de cigarro dentro de presídio

A Justiça de São Paulo deve ouvir as mulheres ainda esta semana

Detentas do Centro de Ressocialização Feminino de São José do Rio Preto, a 438 km de São Paulo, foram obrigadas a apagar tatuagens com produtos improvisados, segundo a Pastoral Carcerária. Fotografias mostram as lesões, marcas e queimaduras nos corpos das presas.

De acordo com a pastoral, elas foram obrigadas pela direção do presídio a apagar os desenhos, sob pena de serem transferidas, no início do mês. Elas disseram que usaram todo tipo de produto, como álcool, removedor de esmalte, cloro, solvente e até cinzas de cigarro.

A Justiça de São Paulo deve ouvir as mulheres ainda esta semana. ?Com base nas investigações realizadas, nós teremos uma conclusão efetiva para a adoção de qualquer medida cabível?, disse o promotor Antonio Baldin.

A Defensoria Pública diz que elas podem ter sido vítimas de abuso de autoridade. ?Não existe uma razão lógica ou qualquer norma que imponha as sentenciadas a estarem retirando esses desenhos que não atrapalham o bom andamento da unidade prisional e não representam risco nenhum?, afirmou o defensor público Leandro de Castro Silva.

A reportagem tentou falar com a Secretaria de Administração Penitenciária, mas não teve retorno.

Fonte: g1, www.g1.com.br