Diarista morta após colocar silicone é enterrada

Polícia apura morte após cirurgia em hospital de Pinheiros.

O corpo da diarista morta após uma cirurgia para colocação de silicone nos seios foi enterrado por volta das 10h desta quinta-feira (7) no Cemitério Jardim da Paz, em Embu das Artes, na Grande São Paulo. Maria Gilessi Pereira Silva, de 41 anos, morreu quando se recuperava da cirurgia de implantação das próteses na tarde desta terça (5), no Hospital Salt Lake, em Pinheiros, na Zona Oeste.


Diarista morta após colocar silicone é enterrada

A Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar a morte da diarista. Na sexta-feira (8), deverão ser ouvidos os filhos dela. O médico e o anestesista que realizaram a cirurgia também serão convocados a depor, assim como os responsáveis pelo hospital e pela clínica Pró-Corpo. A polícia quer saber se a diarista tinha problemas de saúde, que cuidados foram tomados e se o hospital tinha os equipamentos adequados. A apuração, feita pelo 14º Distrito Policial, em Pinheiros, deve durar 30 dias.

Segundo familiares da diarista, o médico que realizou o procedimento ofereceu uma prótese maior do que a que foi prevista inicialmente por um outro especialista. O hospital informou que funciona como um centro de hotelaria cirúrgica. Quem faz os exames pré-operatórios, o agendamento e a cirurgia é a clínica contratada pela paciente. O hospital só deve se pronunciar sobre o caso após a divulgação do laudo necroscópico.

O bancário Danilo Pereira Reis, filho de Maria, conta que fez um empréstimo R$ 5,5 mil para pagar a cirurgia da mãe. Segundo ele, ela procurou referências sobre um médico especialista. A operação estava prevista para acontecer 18 de fevereiro. No entanto, por um motivo que a família não sabe explicar, o procedimento foi antecipado.

Em nota divulgada no início da tarde, a Pró-Corpo afirmou que é ?uma empresa responsável exclusivamente pela assessoria administrativa, que inclui serviços como pré-análise de crédito entre outros atos administrativos". O médico que fez a cirurgia presta serviço como autônomo para a clínica MWells, que irá aguardar o laudo final do IML para se pronunciar, de acordo com a advogada Fabiola M. Duarte, representante das duas empresas.

?O primeiro médico disse que colocaria até 360 ml, porque acima disso implicaria risco. Só que ele só poderia fazer a cirurgia em 18 de fevereiro. Esse disse que colocaria uma prótese de 400 a 450 ml. Esse [médico] foi escolhido na ansiedade. Ela não se informou direito sobre ele?, disse Danilo. O procedimento foi pago à vista, segundo a família.

Ainda de acordo com a família, ela realizou os exames pré-operatórios. ?Os médicos sabiam que ela era hipertensa. Desde o início, eu não estava gostando da ideia, mas, como era o sonho dela, a gente não quis atrapalhar. Mas falei que só faria a transferência do dinheiro para a clínica se os exames dessem 100%?, disse Danilo.

O médico contou à família que tudo correu bem durante o procedimento, mas ela teve uma parada cardiorrespiratória enquanto se recuperava. O outro filho da vítima, o vigilante Darlan Pereira Santiago, de 26 anos, conversou com o médico ainda no hospital. ?Ele disse que qualquer um que tem mais de 35 anos pode ter um infarto, inclusive ele. Que era normal. Para mim foi erro médico. Faltou uma atenção, porque se tivesse alguém com ela no pós-operatório, ela poderia ter escapado?, afirmou.

Investigação

O Conselho Regional de Medicina (CRM) informou que deu início a uma sindicância sigilosa para apurar o que aconteceu nesse caso. A apuração pode demorar de 6 meses a 2 anos.

Fonte: G1