Distribuidora vendia remédios contra o câncer roubados em GO

Suspeita é de que remédios foram desviados da Secretaria de Saúde de SP

Uma distribuidora de medicamentos foi fechada e o gerente do estabelecimento, preso, na quinta-feira (13), em Itumbiara, no sul de Goiás. No local, foram encontrados remédios usados no tratamento do câncer que não podem ser vendidos. Segundo a polícia, a suspeita é de que os medicamentos tenham sido desviados em São Paulo.

A apreensão dos produtos ocorreu durante uma operação deflagrada por policiais do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) de Itumbiara, em conjunto entre a Vigilância Sanitária do município, a Secretaria da Fazenda de Goiás e a corregedoria da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

O local foi interditado depois que fiscais da Vigilância Sanitária de Itumbiara encontraram irregularidades no registro de entrada e saída dos medicamentos e constataram que a empresa não cumpria todas as exigências sanitárias para este tipo de comércio.

Além dos problemas com o registro de entrada e saída das mercadorias, os fiscais também encontraram produtos vencidos e com a embalagem violada. Segundo a Vigilância Sanitária, esses medicamentos deverão ser inutilizados. ?As más condições podem fazer com que o remédio perca o princípio ativo?, explica o diretor da Vigilância Sanitária de Itumbiara, Hebert Andrade.

O representante da empresa deve ser autuado por receptação qualificada. Na distribuidora, foram encontrados remédios usados no tratamento contra o câncer, que não poderiam ser vendidos. Em uma das embalagens, a frase foi apagada.

"Alguns desses medicamentos são desviados de instituições da rede pública, cuja venda é proibida no comércio. São medicamentos oncológicos, de combate ao câncer, que tem valor de R$ 5 mil, cada caixa", diz o delegado Ricardo Chueire.

Apreensão anterior

Esta foi a segunda apreensão de medicamentos de combate ao câncer feita em Itumbiara em pouco mais de um mês. No início de agosto, foram apreendidas 31 caixas de remédios que teriam sido desviados da rede pública de saúde de São Paulo e que estariam sendo revendidos por distribuidoras que atuam em cidade.

A empresa foi interditada pela Vigilância Sanitária e só poderá reabrir depois de cumprir todas as exigências da legislação sanitária. O representante da distribuidora também deve ser indiciado pelo crime contra as relações de consumo, por vender produtos vencidos ou com a embalagem violada. A pena varia de dois a cinco anos de prisão.

"Itumbiara é uma cidade pólo, que é sede de várias filiais de distribuidoras do estado de São Paulo. Como esses desvios estão sendo realizados, normalmente, no estado de São Paulo, é até natural que esses medicamentos adquiridos no mundo do crime venham a ser depositados nessas filiais distantes do local dos fatos", analisa Chueire.

Fonte: G1