"A relação casa-grande e senzala permanece", diz líder doméstica

"A relação casa-grande e senzala permanece", diz líder doméstica

O principal obstáculo ainda é superar a nossa herança escravagista.

Há exatamente um mês, a baiana Creuza Maria Oliveira, 56, comemorava com um largo sorriso uma conquista histórica para a sua categoria: a aprovação da emenda que amplia os direitos dos domésticos. As novas regras tentam mudar a rotina de 7,2 milhões de trabalhadores em todo o país. Neste sábado (27), é celebrado o Dia da Empregada Doméstica.

Com mais de 30 anos no movimento sindical e mais de 46 anos de trabalho doméstico, Creuza é presidente da Fenatrad (federação nacional da categoria) e diz que, apesar das comemorações, o principal obstáculo ainda é superar a nossa herança escravagista.

?O que tem incomodado os patrões e as patroas é a possibilidade de ter que pagar adicional noturno para a empregada que mora no local de trabalho. Aquela relação casa-grande e senzala, em que empregado está disponível e sempre próximo da casa-grande, ainda permanece?, diz. "Não existe nenhuma categoria que more no local de trabalho, só o doméstico, e esse trabalhador precisa ter a sua cidadania: estudar, ter família, cumprir horário", acrescenta.

História

A representante nacional das domésticas começou a trabalhar com menos de dez anos de idade. Cuidava dos filhos dos patrões, lavava e passava, entre outras atribuições. ?Como toda criança que precisa trabalhar, comecei por causa da pobreza da minha família?, conta. Apanhava toda vez que quebrava os pratos e não recebia nenhum centavo pelo serviço realizado. ?Não tinha salário, só recebia roupa usada e comida?.

Conseguiu ir para escola, enfim, aos 16 anos, quando cursou o ensino fundamental por meio da educação de jovens e adultos. Seguiu nos estudos, mas não concluiu o ensino médio.

A história é contada com uma voz tranquila, mas firme. Sem lamentações, nem tristeza. Creuza olha é para o futuro e para as novas conquistas que os domésticos ainda têm pela frente. ?No processo histórico, houve muitas mudanças. Antigamente existiam as mucamas, escravas que faziam o trabalho doméstico, hoje a gente vive lutando para ser reconhecida enquanto categoria?, afirma.

Sua principal referência na luta por direitos é Laudelina Campos de Lima, fundadora da primeira associação de domésticos do Brasil, em 1936. Ambas começaram a trabalhar em casas de família muito cedo e viram no movimento sindical uma forma de buscar mais visibilidade para a profissão. ?O grande desafio é fazer com que os patrões compreendam que o trabalho doméstico é tão importante como em qualquer outro?, diz Creuza.

Segundo o IBGE, dos 7,2 milhões de domésticos no Brasil, apenas 26% têm carteira assinada. Outro dado, dessa vez da Secretaria de Políticas para as Mulheres, mostra que 92% desses trabalhadores são mulheres e, destas, 60% são negras. Para ela, a invisibilidade e desvalorização são responsáveis pelo alto índice de informalidade da categoria. ?A doméstica não tem consciência da importância do seu trabalho.?

Fonte: UOL