Adidas suspende vendas de blusas do Brasil com conotação sexual

Adidas suspende vendas de blusas do Brasil com conotação sexual

Linha de camisetas para a Copa tem duplo sentido, segundo governo.

A fabricante de material esportivo Adidas informou nesta semana que suspendeu as vendas de modelos de camisetas feitas para a Copa, e que continham conotação sexual.

As peças, à venda no site da empresa nos Estados Unidos, irritaram o governo brasileiro. A coleção pegou tão mal que motivou a presidente da República, Dilma Rousseff, a escrever no Twitter que o país não aceita e está pronto para combater o turismo sexual.

"A Adidas sempre acompanha de perto a opinião dos consumidores e parceiros, e em resposta aos seus comentários anuncia que os produtos em questão não mais serão comercializados pela marca. É importante frisar que trata-se de uma edição limitada que estaria disponível apenas para os Estados Unidos", afirmou a empresa.

Em uma das camisetas há o desenho de um coração e um triângulo no meio, dando a impressão de que são nádegas com um biquíni fio dental, e a frase: "I love Brazil" (Eu amo o Brasil).

Na outra, há o desenho de uma garota, também de biquíni, com a frase "Lookin" to score", que pode ser traduzida como "Atrás de pegar garotas". Ambas estavam sendo vendidas na faixa de US$ 25 (perto de R$ 60).

Crítica da Embratur

Mais cedo, o o presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Flávio Dino, afirmou ter procurado a Adidas para pedir a retirada das peças do mercado. "Essa campanha vai no sentido contrário ao que o Brasil defende. Nosso esforço é voltado para a promoção do Brasil pelos atributos naturais e culturais", disse.

Após o anúncio da suspensão das vendas, Dino relatou que a empresa entrou em contato com o governo brasileiro e pediu desculpas. ?Felizmente, prevaleceu o bom senso, e a própria empresa viu que era uma prática comercial totalmente lesiva no que se refere ao mercado brasileiro, mas também em relação a outros mercados, porque seguramente essa preocupação que nós temos não é restrita ao Brasil?, declarou.

Dilma reclamou

A polêmica linha de camisetas fez a presidente Dilma se posicionar em sua conta no Twitter. Ela não cita diretamente os produtos ou a Adidas, mas, em quatro mensagens, fala sobre a política contra exploração sexual que trava o país. Na primeira delas, declarou que "O Brasil está feliz em receber turistas q chegarão p/ Copa, mas também está pronto p/ combater o turismo sexual".

O presidente da Embratur afirmou que o governo estará atento e que poderá, inclusive, procurar tribunais internacionais se algo semelhante voltar a acontecer. Para evitar novas situações semelhantes, deverá se reunir com patrocinadores e parceiros da Copa de 2014. Além da Embratur, devem participar as secretarias de Direitos Humanos e de Promoção de Políticas para as Mulheres. Ainda não há previsão de quando será realizada a reunião.

"Nós queremos que a Copa seja um sucesso, mas não de qualquer jeito. Nós não vamos aceitar que as pessoas venham para a Copa achando que aqui não tem lei. Aqui tem lei, e elas serão cumpridas", advertiu.

Na avaliação do presidente da Embratur, tem diminuído a procura pelo Brasil como destino de turismo sexual. O dirigente relatou que as estatísticas usadas pelo instituto são baseadas em denúncias e, em 2013, somente um caso foi detectado. Uma empresa nos Estados Unidos estava vendendo pacotes para turismo de pesca, mas foi constatado que o objetivo era a procura de mulheres.

?Foi somente um caso? Seguramente não, infelizmente. Mas é algo declinante. Faço questão de reafirmar que tirando uma ou outra situação, há uma compreensão bastante clara e bastante firme em torno desta questão e um trabalho articulado de procurar seja pela prevenção, seja pela dissuasão e também pela repressão?.

Fonte: G1