Anatel determina que usuário não pagará por ligação caída; saiba

Anatel determina que usuário não pagará por ligação caída; saiba

A Agência de Telecomunicações (Anatel) determinou que as ligações sucessivas feitas de aparelho celular entre os mesmos números de origem e destino ag

Por conta das inúmeras quedas de ligações de telefones celulares, o publicitário André Melo já teve um prejuízo e tanto. Como ele extrapolava o seu limite de minutos, aquela ligação que acabara de cair era contada sempre como 30 segundos falados. Um absurdo a mais a ser pago no final do mês.

Com vistas a sanar este e outros tipos de problemas, a Agência de Telecomunicações (Anatel) determinou nesta quinta-feira, dia 29, no Diário da União que as ligações sucessivas feitas de aparelho celular entre os mesmos números de origem e destino agora vão ser cobradas apenas uma vez.

A mudança tem o prazo de 90 dias para entrar em vigor em todo território nacional e as chamadas poderão ser refeitas em um intervalo máximo de 120 segundos entre os mesmos números de origem e destino.

Segundo Francisco José Matias, gerente substituto da Anatel em Teresina, a medida se revela como uma forma de segurança e até mais qualidade dos serviços.

?Nos casos em que se verifique estas situações o consumidor não será mais prejudicado porque não será cobrado em dobro. Toda a população pode ser beneficiada?, ressalta o gerente Francisco José Matias.

Esta regra também será aplicada a todas as operadoras, tanto aquelas que realizam tarifação por tempo, quanto por chamada. A população também não precisa se preocupar com a quantidade de vezes que a ligação irá cair, pois a medida também se adequa de forma indefinida. Todavia, ela só é válida quando a ligação for de móvel para móvel ou de móvel para fixo.

Para tal regulamentação contou ainda com uma consulta pública, onde a população se manifestou sobre os acontecimentos. ?A partir desta consulta o assunto foi discutido em reunião e o conselho decidiu pela nova aprovação, visando o beneficiamento?, conclui Francisco Matias.

Fonte: Nayara Felizardo e Thauana Cavalcante