Saída de dólares no Brasil supera entrada

Em fevereiro, saída de divisas ultrapassou entrada em US$ 399 milhões

O Banco Central informou nesta quarta-feira (3) que US$ 399 milhões deixaram a economia brasileira no mês de fevereiro. O Brasil registrou, desta forma, a primeira saída líquida de recursos mensal desde março de 2009, quando as retiradas de dólares ultrapassaram os ingressos em US$ 797 milhões.

A retirada dos dólares do país está relacionada com os fracos resultados da balança comercial. Em janeiro, a balança teve o primeiro déficit em um ano e, em fevereiro, teve o superávit (exportações menos importações) mais baixo para o mês desde 2002. Primeiro bimestre No primeiro bimestre deste ano, porém, o fluxo de dólares ainda está positivo em US$ 676 milhões, apesar do resultado de fevereiro.

Em janeiro deste ano, houve ingresso líquido de US$ 1,07 bilhão no Brasil. Nos dois primeiros meses do ano passado, período ainda impactado pela crise financeira internacional, as retiradas superavam os investimentos no país em US$ 2,17 bilhões.

Compras de dólares pelo BC

O Central informou ainda que a autoridade monetária efetuou a compra de mais US$ 350 milhões no mercado à vista em fevereiro. Em janeiro deste ano, o BC já havia adquirido US$ 1,7 bilhão e, em todo ano passado, US$ 27,4 bihões. As compras de dólares efetuadas pelo BC vão para as reservas internacionais brasileiras, que atualmente superam os US$ 241 bilhões.

Operações comerciais e financeiras

Segundo o Banco Central, US$ 2,28 bilhões deixaram no país em fevereiro, por conta das operações comerciais (fechamento de contratos de US$ 10,08 bilhões para exportação e de US$ 12,37 bilhões para importações). Por outro lado, a chamada conta financeira, pela qual transitam os investimentos diretos, as aplicações em bolsa de valores e renda fixa, além das remessas de lucros ao exterior, teve entrada de US$ 1,88 bilhão no mesmo período. Juntas, as operações da balança comercial e da conta financeira englobam todas as entradas e saídas de dólares da economia brasileira.

Fonte: g1, www.g1.com.br