Argentina eleva ação contra o Brasil na ONU após impasse

Os comentários coincidem com o agravamento de uma disputa comercial entre Brasil e Argentina.

A Argentina redobrou na segunda-feira suas ações de diplomacia contra a aspiração do Brasil para integrar o Conselho de Segurança da ONU como membro permanente, no momento em que as duas maiores economias sul-americanas mantêm uma disputa comercial.

O chanceler argentino, Héctor Timerman, em Roma para uma reunião especial sobre a ampliação do organismo da Organização das Nações Unidas, fez comentários que foram interpretados por diplomatas como uma campanha contra a adesão do Brasil ao Conselho.

Imerman disse em nota oficial que "a reforma do Conselho de Segurança deve ganhar mais representatividade democrática e que não haja novos privilegiados", em uma frase que diplomatas consultados pela Reuters interpretaram como dirigida ao Brasil.

Os comentários coincidem com o agravamento de uma disputa comercial entre Brasil e Argentina.

Ambos os países, que têm um comércio bilateral superior a 30 bilhões de dólares, mantêm desde a semana passada uma disputa comercial, iniciada após a decisão do governo brasileiro de dificultar a entrada em seu mercado de automóveis importados, entre eles os fabricados na Argentina.

Coincidentemente, opositores à proposta de ampliar o Conselho de Segurança da ONU convocaram uma reunião em Roma, na Itália, para acertar uma posição comum contra a possibilidade de permitir a entrada de nações como Alemanha, Japão ou gigantes emergentes, como Índia ou Brasil.

"Nenhum país deve pensar que merece o eterno direito de pertencer ao Conselho de Segurança", porque que esse órgão "não é nem democrático nem multilateral", insistiu Timerman em mensagem no Twitter.

O chanceler argentino acrescentou que, se estavam superadas as condições criadas entre vitoriosos e derrotados da Segunda Guerra Mundial, também estavam as condições que justificaram a instituição do veto, segundo nota da chancelaria argentina.

Segundo analistas e diplomatas, uma ainda hipotética reforma do Conselho de Segurança que reflita as ambições do Brasil deveria contar com o amplo apoio de países latino-americanos, mas México e Argentina se opõem às aspirações de Brasília.

Fonte: Folha.com