Arrecadação de impostos tem nova queda

A arrecadação total do IPI em setembro caiu 30,56% em relação a setembro de 2008

A arrecadação federal teve queda real de 11,29% em setembro, segundo dados divulgados nesta terça-feira pela Receita Federal. É o décimo primeiro mês consecutivo em que a arrecadação cai, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Em setembro, foram arrecadados R$ 51,52 bilhões. Em relação a agosto também houve queda de 1,29% (descontada a inflação).

No acumulado do ano, a arrecadação federal soma R$ 481,62 bilhões, queda real de 5,95% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo a Receita Federal, o governo deixou de arrecadar R$ 19,5 bilhões de janeiro a setembro por conta de medidas adotadas no combate à crise econômica, como a redução do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) de automóveis e para eletrodomésticos.

A arrecadação total do IPI em setembro caiu 30,56% em relação a setembro de 2008, passando de R$ 3,83 bilhões em setembro do ano passado para R$ 2,65 bilhões neste ano. Só a arrecadação de IPI para automóveis caiu 71% em setembro em relação ao mesmo mês de 2008.

Além disso, houve um aumento na inadimplência apurada nas declarações de débitos e créditos de tributos federais que fez com que R$ 4,7 bilhões deixassem de entrar nos cofres públicos de janeiro a agosto, um crescimento de 70% em relação ao mesmo período de 2008. Outros impostos Já a CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido), voltou a apresentar crescimento no mês, com incremento de 5,88% em relação a setembro de 2008. No mês passado, a arrecadação do imposto havia apresentado queda de 23,09% em relação ao mesmo mês de 2008.

A CSLL recolhida de entidades financeiras (como bancos), cresceu 17,45% em relação a setembro de 2008, mas caiu 35,38% em relação a agosto. A Cide-Combustíveis e o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) também registrou crescimento, com aumentos respectivos de 43,06% e 7,39%. Outros impostos registraram queda, como o Imposto de Importação (20,39%) e do Imposto de Renda total (15,02%).

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br