Pesquisa: Aumento do salário mínimo faz preços em supermercados dispararem

Pesquisa: Aumento do salário mínimo faz preços em supermercados dispararem

Com o aumento do salário mínimo, alguns produtos já aumentaram de valor.

Os teresinenses que realizam compras semanais nos supermercados da capital devem ter percebido o aumento em relação a alguns produtos, tendo em vista que o ano já iniciou com a perspectiva de um novo valor para o salário mínimo. Fato que estimula a correção no preço de muitos produtos e serviços.

Na pesquisa de preços realizada nesta semana, o ranking dos estabelecimentos que oferecem preços mais vantajosos para o consumidor não mudou e vem se mantendo estáveis. O primeiro lugar ficou com o Extra (R$ 321,32). Já o segundo lugar trouxe o Hiper Bompreço com um total para os produtos pesquisados no valor de R$ 338,86. O supermercado Pão de Aúcar vem se mantendo em terceiro lugar com total de R$ 339,85. Em último lugar, com o total mais caro para a lista de preços pesquisados está o Comercial Carvalho R$ 347,28.

A disputa entre os atacadistas continua relativamente acirrada. A diferença do mais caro para o mais barato ficou apenas em R$ 5,01 ? ou seja, é melhor para o consumidor escolher o estabelecimento mais próximo de sua casa para fazer as compras, já que a economia não é significativa.

O ranking ficou da seguinte forma: o Atacadão Carrefour assumiu a primeira posição, com a soma de R$ 72,51. Em segundo lugar, ficou o Maxxi (campeão das semanas anteriores), com R$ 74,89. A terceira posição foi alcançada pelo Carvalho Mercadão, com R$ 77,09; enquanto o Makro aparece em último, somando R$ 77,52.

Como sempre, a vida de quem tem o hábito de fazer pesquisas de preços ? prática constante entre o público alvo dos atacadistas, que são os pequenos comerciantes ? continua difícil. Preços duplicados para um mesmo produto, etiquetas ilegíveis e mesmo a ausência total do preço. Com isso, em diversas vezes, o cliente só fica sabendo do preço na hora de pagar.

A metodologia da pesquisa anota os produtos mais baratos nos itens sem marca definida na tabela (exemplos: Água sanitária, flocão de milho, feijão carioca) e procura pela marca em produtos cuja marca aparece especificada (a exemplo do leite Ninho). Ou seja, quem tem mais variedade de produtos acaba levando vantagem. Esse critério foi introduzido com o objetivo de contemplar os consumidores que sempre optam pelos itens mais em conta.

Em alguns casos, aparece uma marca específica, mas diante da sua falta considera-se uma alternativa similar, para não penalizar tanto a soma final, que já é prejudicada pela falta de produtos elementares em vários dos atacadistas ? fato que foi bastante notado nesta semana. Chegou a faltar arroz 5kg Tipo 1, açúcar e outros produtos básicos. No caso do arroz tipo 1, é considerado em cada estabelecimento o mais barato dentre as marcas mais populares entre os consumidores.


Aumento do salário mínimo faz preços em supermercados dispararem







Fonte: Marcilany Rodrigues e Dowglas Lima