Aumento no consumo de pão movimenta mercado bilionário

Aumento no consumo de pão movimenta mercado bilionário

O setor de panificação registrou, nos últimos 6 anos, um vertiginosa expansão e comemora os bons números.

O pão nosso de cada dia tem alcançado cada vez mais um maior número de lares brasileiros. Não é à toa que o setor de panificação registrou, nos últimos 6 anos, um vertiginosa expansão e comemora os bons números. Em 2009, foi registrado um crescimento de 12,61% nas vendas das padarias de todo o país, segundo levantamento realizado pelo Programa de Apoio à Panificação (Propan).

O faturamento do setor chegou a R$ 49,52 bilhões só no ano passado, contra os R$ 43,98 bilhões de 2008. O fato é que, o segmento está mais maduro e as padarias, em sua grande maioria, estão de cara nova, mais modernas, oferecendo aos clientes maiores opções de produtos e serviços.

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP), o maior consumo de produtos de fabricação própria e de produtos relacionados ao food service foram os principais fatores que contribuíram para esse crescimento.

No Piauí, ao todo existem 590 estabelecimentos ligados ao Propan, e são justamente esses que obtiveram um maior crescimento no faturamento. Em grande parte, esses bons números são devido à aplicação de diferenciais estratégicos, o que impacta de forma positiva na lucratividade do negócio.

Josileide da Silva Reis, gerente de vendas de uma padaria localizada no Centro da capital, confirma a tendência e acrescenta que, embora a loja tenha se diversificado oferecendo produtos variados, o pão francês ainda é o que tem mais saída.

?Temos registrado, com toda certeza, um aumento nas vendas em relação a todos os produtos e mesmo tendo recentemente incrementado os serviços oferecidos com a lanchonete e o restaurante, a padaria e a produção própria são o carro chefe?, destaca.

Com a demanda aquecida, o setor de panificação tem gerado também mais empregos e renda. Como desafio, agora o setor de panificação terá que investir em qualificação e na capacitação desses profissionais a fim de manter o ciclo de crescimento do mercado em ascendência. (M.R.)

Fonte: Mar­ci­la­ny Rod­ri­gues