Bancários discutem nova proposta na quarta

Bancários discutem nova proposta na quarta

Entidade propõe reajuste de 7,5% para quem ganha até R$ 5.250,00.

Até próximo das 22 horas desta segunda-feira (11), o Comando Nacional dos Bancários, que representa os funcionários do setor em greve há 13 dias, ainda estava reunido com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para dar continuidade às negociações, visando à assinatura da Convenção Coletiva 2010/2011.

A nova proposta da Fenaban prevê reajuste de 7,5% nos salários dos empregados que recebiam, em agosto de 2010, remuneração fixa mensal de até R$ 5.250,00; adição de R$ 393,75, com garantia mínima de 4,29% para os salários acima de R$ 5.250; e reajuste de 7,5% para todos os benefícios.

Para a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) foi proposta a mesma regra da convenção 2009/2010, com correção de todos os valores em 7,5% e, para o limite individual da parcela adicional, um índice de correção mais elevado, passando de R$ 2.100 para R$ 2.400.

No fim da noite, a reunião prosseguia para discutir questões específicas, como o valor do auxílio-creche, a questão do assédio moral e os dias de greve. O Comando Nacional também estava debatendo com as direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal sobre reivindicações específicas.

Agora, a proposta da Fenaban será apresentada aos trabalhadores do setor em assembleias convocadas pelos sindicatos de cada região. Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, grande parte das assembleias de trabalhadores deve ocorrer na quarta-feira, caso do sindicato da capital paulista. Portanto, na quarta-feira (13) os bancários continuam em greve.

No sábado, os bancários rejeitaram a proposta da Fenaban, após considerá-la "insuficiente". De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf - CUT), a proposta apresentada pelos bancos no sábado incluía reajuste de 9,82% para o piso salarial, 6,5% de reajuste para quem ganha até R$ 4.100 (e um valor fixo de R$ 266,50 para os salários superiores a esse valor).

Segundo dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o país conta com 19.830 agências bancárias. De acordo com a Contraf, essa é a maior greve da categoria bancária nos últimos 20 anos, já que na quinta-feira (7) 8,28 mil agências ficaram fechadas.

Reivindicações

Os bancários reivindicam reajuste de 11%, valorização dos pisos salariais, maior participação nos Lucros e Resultados (PLR), medidas de proteção à saúde com foco no combate ao assédio moral e às metas abusivas, garantia de emprego, mais contratações, igualdade de oportunidades, segurança contra assaltos e sequestros e fim da precarização via correspondentes bancários, entre outros pontos.

Fonte: g1, www.g1.com.br