Banco Central deve cortar taxa de juro do BR pela 9ª vez seguida

Mercado aposta que não será o último corte do ano; Selic deve ir a 7,5%.

Há um ano, o Banco Central dava início ao mais polêmico ciclo de cortes da taxa básica de juros, que pode acabar em breve. A aposta praticamente unânime do mercado financeiro é que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC anuncie na noite de quarta-feira, 29, o nono corte consecutivo da taxa Selic, dos atuais 8% para 7,5% ao ano. A dúvida agora é se haverá outras reduções da taxa que serve de parâmetro para o preço do dinheiro na economia e para a poupança.


Banco Central deve cortar taxa de juro pela 9ª vez seguida

Por isso, o foco dos economistas estará, principalmente, no comunicado que acompanha o anúncio do Copom. Há basicamente três avaliações. A primeira é que o BC pare de reduzir a taxa após a decisão de hoje, apostando na recuperação da economia daqui para a frente e de olho na expectativa de alta da inflação em 2013. Essa é a visão da consultoria LCA, que conta com queda menor do juro agora e espera ainda que o BC não eleve tão cedo a Selic no próximo ano.

A aposta ainda predominante, no entanto, é que a instituição reduza os juros novamente na reunião marcada para o início de outubro. Nesse caso, o BC pode optar por uma redução para 7,25%, como prevê a maioria dos analistas, ou até chegar a 7%. Em todos os casos, trata-se dos menores níveis da história.

No mercado de juros futuros, por exemplo, os contratos negociados nessa terça-feira na BM&F Bovespa apontavam para esse caminho. O juro projetado para janeiro de 2013 estava em 7,26%.

Muitos também acreditam que o BC deixará "porta aberta", ou seja, vai esperar novos dados para reavaliar a política de juros. "O BC vai proceder com maior cautela após essa reunião, devendo sinalizar para o mercado que o prolongamento do ciclo de afrouxamento monetário até a reunião de outubro dependerá da evolução tanto da atividade econômica doméstica quanto do cenário internacional", diz o estrategista-chefe do Banco WestLB, Luciano Rostagno.

No próximo dia 31, fará exatamente um ano que o BC iniciou o ciclo de corte dos juros que surpreendeu o mercado. Na época, a Selic estava em 12,5%. Apesar do risco de a inflação ultrapassar o limite da meta, a instituição disse na época que a crise internacional iria durar mais que o esperado e jogaria para baixo o crescimento da economia e também os índices de preços.

Desde então, a avaliação dos economistas é que o BC está mais focado na recuperação da atividade do que nos riscos para a inflação, esta última, sua missão oficial. Também é quase unânime o entendimento de que o BC acertou ao se antecipar à desaceleração da atividade.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br