Banco Central trocará cédulas de R$ 2 e R$ 5 desgastadas

Instalação de guichês de troco nas capitais foi confirmada

O Banco Central (BC) anunciou em coletiva para a imprensa na manhã desta quarta-feira (9), em Brasília, que, durante o mês de setembro, vai trocar para os bancos cédulas de R$ 2 e R$ 5 desgastadas, além de moedas com problemas. O serviço não terá custo para as instituições financeiras.

As solicitações de troca por parte dos bancos devem ser feitas por telefone com, no mínimo, 48 horas de antecedência. "Em Porto Alegre e Salvador, onde não é possível realizar as operações diretamente no BC, as trocas serão efetivadas pelo Banco do Brasil. Para os bancos, a unidade mínima para fornecimento de cédulas será o maço, constituído por cem unidades de cédulas de R$ 2 e/ou R$ 5.

No caso das moedas, a unidade mínima é o saco, com quinhentas ou mil unidades, dependendo da denominação, de R$ 0,05 a R$ 1,00", diz a nota publicada no site do BC. A partir da próxima segunda-feira (14), o BC também colocará guichês de troca de moedas e notas de R$ 2 e R$ 5 - disponibilizados em kits de R$ 100 - em todas as capitais do país, como já havia sido anunciado. Segundo a nota do Banco Central, as cédulas de R$ 2 e de R$ 5 são as que mais se desgastam, em função da intensa circulação.

E o hábito popular de juntar moedas faz com que, em algumas regiões brasileiras, os comerciantes reclamem da dificuldade para fornecer troco. Os endereços dos guichês de troca serão divulgados no site do Banco Central. Essa medida busca atender os pequenos comerciantes. Segundo a nota, os grandes comerciantes devem recorrer aos bancos comerciais que os atendem.

A nota também informa que o Banco Central encomendou dois bilhões de moedas a mais para 2009, volume 56% maior que no ano anterior. "O volume de cédulas também é superior ao do ano passado. Em 2009, houve um aumento de 67% na produção de cédulas de R$ 2, passando de 420 milhões para 700 milhões. A produção de cédulas de R$ 5 saltou de 255 milhões em 2008 para 400 milhões em 2009, um aumento de 57%", diz o anúncio no site do BC. A Casa da Moeda já entregou mais da metade desse volume, que está disponível ao público mediante troca.

Fonte: g1, www.g1.com.br