Bancos esperam oferta mais restritiva de crédito no terceiro trimestre do ano

O indicador é expresso em uma escala de pontos que varia entre -2 e 2 pontos

A oferta de crédito para o consumo deve ser tornar mais restritiva no terceiro trimestre deste ano. É o que mostra o Indicador de Crédito para Consumo - Oferta Esperada, calculado pelo Banco Central (BC). De acordo com o BC, o indicador trimestral é resultado de pesquisa nas instituições financeiras mais representativas do segmento, de forma a totalizar pelo menos 80% do volume total desse tipo de crédito. As operações de crédito para consumo são cheque especial, crédito pessoal, financiamento de veículos e cartão de crédito.

O indicador é expresso em uma escala de pontos que varia entre -2 e 2 pontos. A pontuação em -2 indica mais restrição e em 2, mais flexibilidade. De acordo com BC, o indicador de oferta para consumo ficou negativo em 0,07 ponto. O instituição também divulgou a perspectiva para a demanda por crédito, que ficou em 0,06 ponto, indicando perspectiva de aumento da procura por crédito.

Outro dado é a perspectiva de aprovações esperadas no crédito para consumo pelas instituições financeiras, que ficou em 0,06 ponto. O BC pesquisa ainda a perspectiva das instituições financeiras para a demanda, oferta e perspectiva de aprovação de crédito pelos bancos para financiamento imobiliário e empresas grandes e micro, pequenas e médias.

De acordo com o indicador de demanda por financiamento imobiliário, a perspectiva das instituições é estabilidade na oferta e melhora na demanda (0,25) e nas aprovações de crédito (0,13). A pesquisa para esse indicador foi feita com as principais instituições financeiras atuantes no crédito habitacional para famílias, representando cerca de 95% do volume total de crédito do segmento.

No caso das grandes empresas, deve haver queda tanto na demanda (-0,33), quanto na oferta (-0,59) e na aprovação de crédito (-0,24) no terceiro trimestre deste ano. Nesse caso, a pesquisa é feita com instituições responsáveis por, pelo menos, 90% do volume de crédito para o segmento.

Para as micro, pequenas e médias empresas, espera-se mais restrição na oferta (-0,38) e melhora na demanda (0,50) e na aprovação de crédito (0,08). A pesquisa foi feita com bancos responsáveis por cerca de 90% do crédito para essas empresas.

Fonte: Terra