Obama faz discurso sobre 1 ano de crise

O presidente falará no Federal Hall de Nova York, primeira sede do Congresso norte-americano

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, marcará nesta segunda-feira (14), o aniversário simbólico da crise financeira ao discursar a poucos passos de Wall Street, quando exporá seus planos para impedir que os Estados Unidos voltem a ficar à beira da catástrofe econômica.

O presidente falará no Federal Hall de Nova York, primeira sede do Congresso norte-americano, no sul de Manhattan, um monumento histórico dos Estados Unidos -, bem perto da Bolsa de Nova York. O pronunciamento deverá ser realizado às 12h10 (hora local, 13h10 em Brasília).

Dez dias antes que os dirigentes dos países desenvolvidos e das grandes economias independentes se reúnam em Pittsburgh, Obama repetirá o que se propõe a fazer para pôr fim aos excessos do setor financeiro e ditar "normas de conduta" que impeçam uma repetição da crise no país.

Há quase um ano - que serão completados na terça-feira, 15 de setembro - da declaração de concordata do banco de negócios Lehman Brothers, cujas ondas de choque se propagaram para todo o sistema financeiro americano e depois para a economia mundial, Obama defenderá as decisões que adotou em janeiro passado, depois de assumir a presidência de um país à beira do precipício, segundo suas próprias palavras.

Análise

Depois de iniciativas de intervenção na indústria e nas finanças, que até bem pouco tempo seriam impensáveis no principal país capitalista do mundo e que atraíram a fúria dos adversários, o presidente norte-americano deverá fazer um balanço do desempenho do país.

Agora que os Estados Unidos parecem estar saindo da pior recessão que já conheceu desde a Grande Depressão dos anos 30, ele expressará seus planos para reformar uma economia ainda frágil para assegurar um crescimento duradouro. "O inverno passou, este país enfrentou sua pior crise econômica desde a Grande Depressão", afirmou, na quarta-feira passada (9).

Momento de transição

No entanto, o presidente dos Estados Unidos advertiu que ainda demorará alguns meses para que a economia funcione a pleno regime.

"Obama se propõe a deixar claro nesta segunda [feira] que o momento é de transição das políticas de salvamento às de retorno ao crescimento sustentável", conforme explicou Lawrence Summers, conselheiro econômico do presidente.

Obama também vai recordar seus ambiciosos projetos de transformar a economia americana e torna-la menos dependente das "bolhas" que asseguraram sua expansão. Summers, no entanto, não afirmou se o presidente vai anunciar de imediato novas iniciativas.

Em junho, ele divulgou os detalhes de seu plano para reforçar o controle das finanças pelas autoridades, depois de muitos anos de desregulação e políticas ultraliberais.

Conseguir que o Congresso aprove esta reforma se anuncia como uma de suas tarefas mais imediatas. Sua grande prioridade no setor doméstico é a reforma da saúde, que vem tropeçando em fortes resistências no Congresso. Para alcançar esse objetivo, Obama necessitará de todo seu capital político.

E, embora o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, anteveja "os primeiros sinais de crescimento" nos Estados Unidos, os dirigentes americanos admitem que, devido a um efeito de inércia, o desemprego deve continuar crescendo, talvez vindo a superar os 10% até o fim do ano.

Fonte: g1, www.g1.com.br