Bovespa tem alta de 17,5% no ano e índice pode valorizar mais

A bolsa brasileira já acumula alta de 17,5% neste ano

A bolsa brasileira já acumula alta de 17,5% neste ano e o principal índice do mercado acionário, Ibovespa, está próximo do patamar que diversos analistas esperavam para o encerramento de 2012. Ainda assim, a crença é de que há fôlego para valorização adicional.

Pesquisa feita pela Reuters no fim de 2011 indicava que a estimativa mediana para o Ibovespa no fim de junho deste ano era de 61.500 pontos, nível superado em janeiro. Para o fim do ano, era de 70.000 pontos.

No fechamento da sessão de sexta-feira, 9 de março, o índice estava em 66.703 pontos - 8,5% acima da previsão para junho e apenas 5% abaixo da meta para dezembro.

Embora muitas corretoras e analistas não tenham ainda revisado formalmente suas projeções, a avaliação é de que ainda há espaço para ganhos da bolsa paulista, devido principalmente à melhora do cenário externo e às perspectivas para a economia brasileira.

Há quem já tenha alterado as estimativas, como é o caso do Citi, que ainda em fevereiro aumentou sua projeção do Ibovespa para o fim de dezembro para 77.000 pontos, de 70.000.

"Em adição à melhora do sentimento global, o que guia a performance da bolsa do Brasil inclui a flexibilidade da política monetária e o crescimento dos lucros por ação nos setores domésticos. Commodities permanecem importantes para o mercado de ações, mas menos do que no passado", afirmou o analista Jason Press, em relatório.

No ano até aqui, as maiores altas do Ibovespa são de empresas voltadas à economia interna, como Cia Hering, Rossi Residencial, Brookfield e Lojas Renner.

Apenas cinco ações do índice que reúne as principais ações brasileiras acumulam queda: Light, a preferencial da Eletrobras, a ordinária da Usiminas, Telemar Norte Leste (do Grupo Oi) e Brasil Foods.

O analista-chefe da Gradual Corretora, Paulo Esteves, se mostrou surpreendido com a intensidade dos ganhos da Bovespa nos primeiros dois meses e meio de 2012, e ressaltou que isso não significa o fim dos ganhos para a bolsa.

"Esperávamos uma alta mais forte no segundo semestre. Houve uma antecipação no movimento", afirmou ele. "Ainda tem espaço para alta, mas não nesse ritmo", acrescentou.

O analista possui uma estimativa de 77.200 pontos para o Ibovespa no fim do ano, que não foi modificada diante do recente desempenho do índice.

Fonte: Terra, www.terra.com.br