Bovespa tem pregão de recuperação

Bolsa paulista acompanha valorizações no exterior e sobe

A quarta-feira (10) é de recuperação na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Às 10h10, o Ibovespa, principal indicador da bolsa paulista, subia 1,32%, a 53.857 pontos.

Ganhos também tomam forma em Wall Street, onde os investidores recobram otimismo na economia americana e assimilam previsões feitas por jornais chineses sugerindo crescimento na produção industrial e vendas no varejo da China.

Na Europa, o dia é de valorização, com os principais mercados subindo mais de 1,5%. Na Ásia, notícias sobre um crescimento na produção industrial chinesa puxou a alta nas bolsas.

Na agenda do dia nos EUA, estão os estoques de petróleo, pedidos semanais por empréstimos hipotecários e o Livro Bege do Federal Reserve (Fed), banco central americano. O déficit da balança comercial do país, divulgado mais cedo, mostrou alta em abril, para US$ 29,2 bilhões.

Por aqui, as atenções ficam voltadas para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que, após o encerramento dos negócios, apresenta a taxa Selic. Os analistas apostam em um corte de 0,75 ponto percentual, que levaria a taxa básica de juros do país para 9,50%.

Atenção também para as ações da Vale. A mineradora concluiu a negociação do reajuste do preço de referência do minério de ferro e pelotas para 2009 com as siderúrgicas japonesas. O preço de referência para o minério de ferro fino foi reduzido em 28,2% e o granulado, em 44,47%, em relação ao de 2008.

Véspera

A terça-feira foi marcada pela instabilidade na Bovespa. O contorno positivo do começo do pregão cedeu espaço à preocupação com o rumo da política monetária depois que o PIB do primeiro trimestre encolheu 0,8%, contrariando previsão de queda de 2%.

Notícias corporativas envolvendo a Petrobras e as siderúrgicas também atrapalharam o desempenho do Ibovespa, que fechou em queda de 0,88%, aos 53.157 pontos, com giro financeiro em R$ 3,89 bilhões.

Fonte: g1, www.g1.com.br