Brasil é vitorioso por ter Belo Monte, diz ministro

Márcio Zimmermann avalia que o leilão foi "um sucesso"

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, avaliou nesta terça-feira (20), que o Brasil é "vitorioso" por poder contar com um empreendimento do porte da usina hidrelétrica de Belo Monte, cujo leilão foi realizado hoje em Brasília, tendo por vencedor o Consórcio Norte Energia, formado pela Chesf e pela construtora Queiroz Galvão, entre outros. "O leilão foi um sucesso", acrescentou o ministro.

"O Brasil é vitorioso hoje por ter uma usina como Belo Monte, mais barata. Foi um leilão que teve disputa e teve deságio. O preço ficou 5% abaixo do preço teto, em R$ 77,97, com 6,02% de deságio e 70% da energia indo para o mercado regulado. A gente continua perseguindo um dos pilares do modelo [energético], que é a modicidade tarifária", disse Zimmermann a jornalistas.

Ele acrescentou que Belo Monte foi, provavelmente, a usina hidrelétrica com mais estudos no mundo. "A usina tem um projeto de desenvolvimento regional. Altamira [cidade do Pará em que o empreendimento terá sede] tem sérios problemas econõmicos e sociais. Será um belo impulso a região e ao estado do Pará", disse o ministro.

O representante do consórcio vencedor, José Ailton de Lima, diretor da Chesf, afirmou estar seguro a respeito do leilão, mesmo com as três liminares que chegaram a impedir, momentaneamente, o desenrolar do processo. Ele lembrou que a usina de Dardanelos, no Mato Grosso, também foi questionada por meio de liminares, mas disse que, atualmente, o empreendimento está ficando pronto.

"Estamos seguros. A usina de Dardanelos também foi objeto de várias liminares e está ficando pronta. Não temos receio. Estamos vivendo em um estado de direito, no qual cabem liminares e a defesa. Temos sido bastante exitosos em suspender essas liminares", afirmou Ailton de Lima.

Segundo ele, a Chesf é a líder do consórcio, com 49% de participação, mas a Eletronorte entrará como o sócio estratégico. Entretanto, segundo ele, a Eletronorte entrará dentro dos 49% de participação da Chesf. Acrescentou também que fundos de pensão, cujos nomes não foram divulgados, podem entrar como sócios.

Ailton de Lima disse ainda que "muitas melhorias" podem ser feitas no projeto, mas que todas serão submetidas previamente à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). "Vamos introduzir melhorias. É um projeto muito grande. Temos consciência de que é preciso melhorar alguns pontos", disse ele.

Fonte: g1, www.g1.com.br