Brasil gera 138,4 mil postos formais de trabalho com carteira assinada em julho

Segundo Ministério, é o melhor desempenho mensal do ano até agora

 A economia brasileira gerou 38,402 mil postos de trabalho com carteira assinada em julho,segundo mostram dados do Ministério do Trabalho divulgados nesta terça-feira (18). O resultado representa um crescimento de 0,43% em relação aos dados de junho. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), 1.398.181 trabalhadores foram admitidos no mês passado e 1.259.779 foram demitidos.

Segundo o Ministério, é o melhor resultado mensal de 2009 até agora. Em função da crise financeira global, o país começou o ano com saldo negativo em mais de 100 mil empregos formais. Em comunicado, o Ministério diz que o desempenho favorável de julho consolida o processo de recuperação do emprego formal observada nos últimos meses do país, "tendo em vista que que alcança praticamente o mesmo patamar de geração de emprego observado nos meses de julho dos últimos seis anos, período mais favorável de geração de emprego formal no país", diz.

No acumulado do ano, o saldo líquido de criação de vagas é de 437.908, alta de 1,37% sobre o nível de vagas de dezembro do ano passado. No mesmo período do ano passado, haviam sido criados 1.564.606 empregos formais. Setores A indústria gerou em julho um saldo líquido positivo de 17.354 empregos formais, segundo o Caged. Porém, segundo o Caged, o saldo entre admissões e demissões na indústria começou a ficar negativo em novembro de 2008. No acumulado de 2009 de janeiro a julho, o saldo de empregos formais na indústria ainda está negativo em 127.123 vagas.

Ainda segundo os dados do Caged, o setor que mais se destacou em julho foi a construção civil, com saldo positivo de 32.175 postos de trabalho com carteira assinada. Nos sete primeiros meses de 2009, o setor registra um saldo positivo de 111.580 empregos formais. Também em julho, o setor de serviços registrou saldo positivo de 27.655 vagas formais, elevando para 263.090 o número de postos de trabalho formais criados no acumulado de janeiro a julho deste ano.

Fonte: g1, www.g1.com.br