Caixa corta mais uma vez juros para consumidor e empresas

Caixa corta mais uma vez juros para consumidor e empresas

Crédito para financiar veículos, penhorar, construir ou reformar fica mais barato

A Caixa Econômica Federal voltou a reduzir as taxas de juros das linhas de crédito oferecidas tanto para o consumidor como para empresas, anunciou a instituição nesta quinta-feira (10).

Para pessoas físicas, os cortes atingem as operações de financiamento de veículos, empréstimos para construir ou reformar a casa própria (Construcard) e penhor. Já para as jurídicas, a redução abrange as taxas de cheque especial e antecipação de recebíveis de cartões de crédito.

No financiamento de veículos, a redução de taxas abrange as aquisições de veículos novos, com cota de financiamento de até 70% do valor do bem.

As novas taxas valem para correntistas com relacionamento a partir de 90 dias, clientes mutuários de financiamento imobiliário na Caixa, funcionários públicos ou assalariados que recebem salário na instituição há pelo menos 90 dias e funcionários públicos que venha a abrir conta corrente, de segmentos como Judiciário, Banco Central, Petrobras, dentre outros.

No Construcard, a partir do dia 21 deste mês, a taxa mínima será de 1,96% ao mês para quem tem conta no banco há mais de seis meses. Também podem pagar menos os mutuários de financiamento imobiliário, funcionários públicos ou assalariados que recebem salário na Caixa há pelo menos 90 dias, dentre outros.

No empréstimo de penhor, as taxas foram unificadas para 1,70% ao mês para todos os clientes. A linha tem como base a garantia de joias, metais preciosos e objetos como relógio, canetas e se destaca pela sua rapidez e facilidade na concessão do crédito. Vale a partir desta sexta (11).

Empresas

Para as empresas, o banco informa que cortou as taxas do cheque especial passando de 2,87% a 7,95% ao mês para de 2,87% a 4,27% ao mês ? uma redução de 57% na taxa máxima ao ano.

O ajuste vale para todas as empresas, independentemente do seu relacionamento com o banco, e terá vigência já para o mês de maio.

Fonte: r7.com