Celular na infância: consumo aumentou entre os mais jovens

25% dos usuários entre 10 e 15 anos de idade acessaram a internet por meio de seu aparelho de telefonia móvel

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, mostram que a quantidade de usuários entre 10 e 14 anos com telefone celular no Brasil aumentou 54,5% em quatro anos. Em 2005, cerca de 3,3 milhões de brasileiros nessa faixa etária tinham um aparelho móvel. Em 2009, segundo a pesquisa mais recente, o número havia superado os 5,1 milhões.

Na hora de escolher entre um pré ou um pós-pago, os consumidores estão seguindo as orientações dos especialistas e dando preferência ao primeiro tipo para os mais jovens. Um levantamento realizado no ano passado pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic) apontou que 97% dos consumidores entre 10 e 15 anos que têm um celular optaram pelo pré-pago.

Ainda de acordo com a pesquisa, que coletou depoimentos de cerca de 20 mil pessoas, 25% dos usuários entre 10 e 15 anos de idade acessaram a internet por meio de seu aparelho de telefonia móvel.

Modelo

Apesar de as crianças terem mais habilidade para operar novas tecnologias do que muitos adultos, nem sempre é recomendável comprar um modelo de última geração para os pequenos. ?Vale a pena dar um telefone celular mais simples, com o objetivo de mostrar que o dinheiro não vem fácil, e também por uma questão de segurança?, afirma Vitoria Bonaldi.

Acompanhamento

O celular pode ser um aparelho de uso individual, mas a recomendação é que, no início, os pais acompanhem e orientem as crianças durante a utilização. Não apenas para que elas não gastem todos os créditos de uma vez, mas também para que não tenham acesso a conteúdos inadequados para a idade.

Negociação

Para Vitoria Bonaldi, a negociação das necessidades entre pais e filhos é um processo constante, que deve ser exercitado o tempo todo. Assim, a criança poderá entender o valor do dinheiro e do que ele pode comprar.

Fonte: Extra