Cidade com maior PIB do PI, Uruçuí tem infraestrutura precária

Cidade com maior PIB do PI, Uruçuí tem infraestrutura precária

Prefeito da cidade, onde fica Nova Santa Rosa, esteve preso por desvio.

As mais de cem famílias que formam a comunidade de Nova Santa Rosa, distrito de Uruçuí, sudoeste do Piauí, sofrem com a precariedade da infraestrutura e dos serviços do município.

Os problemas contrastam com o crescimento econômico da região, uma das maiores produtoras de soja do Nordeste.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Uruçuí representava o maior Produto Interno Bruto (PIB) per capita do Piauí em 2008.



Cada indivíduo tinha renda anual média de R$ 22.070,27. Maior até que os números da capital do estado, Teresina: R$ 9.374,32.

No começo do ano, o prefeito de Uruçuí chegou a ser preso sob suspeita de desviar R$ 3,5 milhões dos cofres do município. Ele foi solto ainda em janeiro.

A repórter do G1 passou um fim de semana na comunidade e ouviu queixas recorrentes da população: faltam estradas, o sistema de energia é frágil e a escola municipal, construída pela própria comunidade, está com três meses de salários dos professores atrasados.

"O nosso principal problema aqui são as estradas. Estrada é tudo para nós hoje. Estão há anos prometendo asfaltar a Transcerrado, que seria de 300 km por cima da serra", diz Wilson Marcolin, paranaense que formou família na comunidade e planta 1 mil hectares de soja e milho.

O G1 tentou contato por telefone com a prefeitura de Uruçuí, mas não encontrou ninguém para comentar o assunto. Em outra tentativa, a atendente de uma escola municipal disse que o telefone da prefeitura está cortado por falta de pagamento.

Celso Werner, proprietário de uma das fazendas da região, diz que seria importante para o distrito conseguir tornar-se um município, para ter mais representatividade política. Mesmo pagando fretes caros para o padrão nacional, os produtores reclamam que é difícil quem esteja disposto a carregar o caminhão para transportar grãos pelas estradas tortuosas que dão acesso à comunidade.

O projeto da Transcerrado prevê uma rodovia que ligue a cidade de Sebastião Leal, no entroncamento com a PI-247, a Monte Alegre, na PI-254, com pista simples e acostamento.

Se sair do papel, a obra facilitará principalmente o escoamento da soja e do milho que são cultivados na região.

Atualmente, o acesso a Nova Santa Rosa é feito por estradas estreitas, irregulares e sem pavimentação. Para sair de Luiz Eduardo Magalhães, na Bahia, até Nova Santa Rosa, a repórter percorreu 120 de 780 km em estrada de terra, cheia de lama e buracos.

A estrutura que existe atualmente na vila foi toda paga pelos produtores: escola, sede social, igreja e pizzaria. Não há médicos no posto de saúde: o hospital mais próximo fica em Bom Jesus, a mais de duas horas em estrada de terra. Quem dá primeiro atendimento é, desde a fundação da comunidade, a enfermeira Bernadete, apelidada carinhosamente de Berna pelos moradores.

Geisa Marcolin, produtora, conta que, quando o caso é grave e urgente, muitas vezes a alternativa é alugar aviões que transportem o enfermo até Teresina, a cerca de oito horas dali. Em um dos casos, conta Geisa, toda comunidade se reuniu para ligar os faróis dos carros e iluminar a pista de pouso para receber um avião que chegou à noite para socorrer um rapaz ferido. "Fico arrepiada só de lembrar dessa cena".

Clailton Kalsing, dono da loja de materiais de construção da comunidade, conta que precisa retirar pedidos para o estabelecimento em Palmeiras do Piauí, a 80 km em estrada de terra, porque as empresas não querem se "aventurar" rumo a Nova Santa Rosa.

"As empresas não querem entregar nada em [Nova] Santa Rosa porque dizem que é fora de rota. Tanto que fizemos um pedido há mais de um mês e não chegou até agora", diz o empresário.

Fonte: g1, www.g1.com.br