Coaf:Suspeitas de lavagem de dinheiro aumentam 87%

Suspeitas de lavagem de dinheiro aumentam 87% em 2008, diz Conselho

Segundo Coaf, número de operações suspeitas ultrapassou 44 mil.

Quantidade de suspeitos de movimentações ilegais teve alta de 24%.

Foto: Antonio Gustavo Rodrigues, presidente do Coaf. O número de operações financeiras com indícios de lavagem de dinheiro ou movimentações ilegais teve um aumento de 87,8% entre 2007 e 2008 no Brasil, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (30) pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Fazenda.

De acordo com o órgão, no ano passado foram rastreadas 44.817 operações suspeitas, contra 23.858 em 2007. Ainda de acordo com o Coaf, o número de pessoas (físicas e jurídicas) suspeitas de envolvimento com essas operações financeiras aumentou 24%, passando de 9.839 para 12.210 no mesmo período

Segundo o presidente do Conselho, Antonio Gustavo Rodrigues, esse aumento é resultado de melhorias na capacidade de rastreamento do órgão.

Elevação

O número de operações suspeitas rastreadas pelo Coaf vem aumentando significativamente nos últimos anos. Em 2003, por exemplo, haviam sido identificadas apenas 1.344 operações, com o suposto envolvimento de 3.271 pessoas.

As pesquisas feitas sobre as operações suspeitas são incluídas em relatórios que, posteriormente, são encaminhados, geralmente, para a Polícia Federal e para o Ministério Público Federal nos estados. Em casos específicos, os relatórios são também encaminhados para outros órgãos, como a Controladoria-Gerall da União, quando envolve servidores públicos.

Origens

Rodrigues explica que são diversas as origens do dinheiro que entra, de forma suspeita, na legalidade no Brasil, ou seja, do dinheiro que é "lavado", como popularmente é conhecida a operação criminosa.

"No Brasil, a economia informal representa entre 40% e 50% (da economia), então a sonegação é um fator importante. Mas você também tem corrupção e outros crimes contra a administração pública, tráfico de drogas, casos de seqüestro, crimes contra o sistema financeiro... Enfim, você tem vários fatores", afirma Rodrigues.

Investigação

O presidente do Coaf afirma que as operações suspeitas não configuram necessariamente um crime. Segundo ele, elas apenas apontam a existência de movimentações de dinheiro que precisam ser investigadas.

"Os relatórios (que podem conter uma ou várias operações suspeitas) indicam situações que mereceriam um aprofundamento nas investigações. Pode nem haver nada. Mas aquilo é um conjunto de situações que pareceu estranha", disse.

(Com informações do Valor Online e Agência Estado)

Fonte: Valor Econômico