Coleção do traficante que vai a leilão têm relógio de R$ 400 mil

Coleção do traficante que vai a leilão têm relógio de R$ 400 mil

Justiça Federal autorizou fotos dos 20 relógios de colombiano.

A Justiça Federal de São Paulo exibiu nesta quarta-feira (12) a coleção milionária de 20 relógios importados do megatraficante colombiano Juan Carlos Ramirez Abadia que serão leiloados no dia 24 deste mês e em 8 de outubro. Os exemplares de luxo que poderão ser arrematados pertenciam ao criminoso, que foi preso pela Polícia Federal em agosto de 2007, num condomínio fechado de alto padrão em Cotia, na Grande São Paulo. No ano seguinte, ele foi extraditado para os Estados Unidos.

Os relógios, de marcas famosas como Cartier, Rolex, Bvlgari e Audemars Piguet, foram apreendidos e irão a leilão porque foram considerados produtos de delito de tráfico internacional de drogas e objeto de crime de lavagem de dinheiro. De acordo com a assessoria a Justiça Federal, o acervo de Abadia está avaliado em mais de R$ 2,1 milhões. A peça mais cara do colombiano é um Audemars Piguet. O lance mínimo para este relógio dourado, que já esteve no pulso do maior traficante de drogas detido no Brasil, é de US$ 219 mil (R$ 443,28 mil).

Peça mais cara

O objeto mais barato a ser leiloado é um Cartier Automatic Swiss, com fundo perolado, cotado em R$ 9.450. Segundo o juiz Marcelo Costenaro Cavali, a alienação dos objetos foi feita por conta do tempo decorrido desde a apreensão deles e da dificuldade de conservação.

Caso a condenação de Abadia seja revertida em instâncias superiores, o valor dos relógios será devolvido a ele, uma vez que a quantia arrecadada será guardada em uma conta judicial. O colombiano foi condenado a 30 anos de prisão em 2008, quando foi julgado. Ele é conhecido como o chefe de um cartel de drogas, e foi considerado culpado por crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e uso de documentos falsos.

O leilão será feito simultaneamente em um pregão físico e em um eletrônico. Os lances poderão ser oferecidos após a realização de um pré-cadastro no site da empresa Superbid Gestor Judicial.

Segundo o juiz Cavali, leilões eletrônicos, como o que será realizado, são vantajosos por conta da ampla possibilidade de divulgação e a transparência decorrente. A expectativa é que o valor da venda dos relógios atinja o de avaliação, isso por conta do aumento do número de arrematantes.

Para aqueles que preferem acompanhar os pregões pessoalmente, eles serão realizados no auditório do Fórum Criminal da Justiça Federal, na Alameda Ministro Rocha Azevedo, 25, nos Jardins.

Fonte: G1