Com inflação alta, levar marmita para o trabalho vira opção para poupar

Com inflação alta, levar marmita para o trabalho vira opção para poupar

O profissional que economiza o dinheiro do almoço consegue juntar até R$ 5 mil por ano.

Um estudo divulgado na última sexta-feira (27) aponta que o almoço fora de casa custa, em média, R$ 27,46 no Brasil. Em comparação com o mesmo levantamento apresentado em 2011, esse resultado apresentou alta de 2,54% no índice do preço da refeição neste ano.

De acordo com o consultor de planejamento financeiro pessoal Augusto Saboia, pequenas mudanças podem resultar em grandes resultados. E quando o assunto é levar comida de casa, o especialista afirma que o profissional que economiza o dinheiro do almoço consegue juntar até R$ 5 mil por ano.

?Muitas pessoas me olham e dizem ?Saboia eu ganho R$ 10, R$ 20 de almoço e sou louco para ir para Disney (...), mas não tenho dinheiro?. E eu digo ? por que não vai? Duzentos e cinquenta dias [de refeição fora de casa] a R$ 20 são R$ 5 mil. Como é que você não tem dinheiro??, brinca o consultor.

?Traz de casa, compra uma salada (...). Ninguém vai lembrar como você comeu salada e filé de frango. E sim como foi sua viagem para Disney (...). Isso não é uma perda é uma troca?, ressalta.

Levar comida de casa para o trabalho pode fazer bem para o seu bolso e deixar suas refeições muito mais saudáveis, principalmente em relação ao maior controle que se tem sobre os alimentos. "O bom é que você pode preparar a comida com menos gordura e mais higiene. É possível elaborar um prato saudável e evitar as ?besteiras? que comumente as pessoas colocam no prato em restaurantes self service ou fast foods?, explica Flávia Morais, nutricionista e coordenadora do departamento de nutrição da rede Mundo Verde, empresa especializada em produtos naturais.

Para Nadia Cozzi, consultora em alimentação consciente, investir na marmita (em vez atacar os restaurantes por quilo nas redondezas do trabalho) é uma opção mais barata e oferece ainda outro tipo de vantagem: "É possível optar por alimentos orgânicos livres de transgênicos, agrotóxicos, promotores de crescimento e aditivos químicos?.

?A orientação à população em geral, não somente em marmitas, é a prática da alimentação equilibrada, com um cardápio variado e alimentos de todos os grupos. Por exemplo: arroz, batata ou massa; feijão, lentilha, ervilha ou grão de bico; legumes e verduras; e carnes magras ou ovos?, afirma a nutricionista Dra. Celi Kussumoto.

Fonte: UOL