Começa hoje prazo para reserva de ações na oferta da Petrobras

Quem tem FGTS ou dinheiro próprio em papéis da estatal pode decidir até quinta-feira se acompanha processo de capitalização

Começa hoje o prazo para os acionistas decidirem se querem investir mais recursos na Petrobras por meio do processo de capitalização da estatal. Têm prioridade para reservar papéis até quinta-feira os investidores que, no dia 6 de setembro, tinham ações ordinárias (ON) ou preferenciais (PN) da empresa ou mantinham o investimento feito com parte do FGTS em ações da companhia a partir do ano 2000, nos Fundos Mútuos de Privatização (FMP).

Quem aplicou com o FGTS poderá usar até 30% do patrimônio que possui atualmente no Fundo de Garantia para comprar mais ações. Para os investidores que compraram ações com dinheiro disponível, eles terão direito a adquirir 0,3428 ação para cada uma que possuam, segundo o prospecto da oferta. Ou seja, quem tinha R$ 100 em ações da Petrobras no dia 10 poderá adquirir mais R$ 34,28 em papéis.

Os investidores que já têm ações da empresa e não quiserem aderir à oferta nada perdem financeiramente. Ficam prejudicados apenas por passarem a possuir uma fatia menor do capital social da companhia. Ou seja, suponha-se que a empresa passará a ter um capital social 50% maior. Nesse caso, o investidor que tinha 3% da companhia antes da capitalização terá 2% depois do aumento de capital, se não investir em novos papéis.

A reserva de ações no limite total, porém, não assegura que o investidor manterá sua parcela de participação na empresa. Isso ocorre por conta do volumoso investimento que o governo federal fará na companhia por meio de um processo conhecido como cessão onerosa. Por ele, a União transformará o potencial de exploração de barris do pré-sal como capital para investir na Petrobras.

Novos investidores têm prazo até dia 22

Os interessados que não possuem ações da Petrobras também poderão fazer reservas a partir de hoje, e com prazo ainda mais elástico, até dia 22. Porém, esses investidores só conseguirão, de fato, comprar o excedente de ações ofertadas que não forem adquiridas pelos atuais acionistas da companhia.

O investidor pode fazer suas reservas de ações com uma corretora de valores filiada à BM&F Bovespa. No momento da reserva, ele escolhe quantas ações quer comprar e o valor máximo que aceita pagar por elas. O preço final será divulgado no dia 24 e, se ficar acima do valor de reserva, o interessado não adquirirá nenhum papel.

Para as pessoas físicas que não tenham ações, o investimento poderá ser efetuado em valores entre R$ 1 mil e R$ 300 mil na oferta pública programada para o dia 30 de setembro. A decisão deve ser feita tendo em vista a perspectiva futura de variação da ação e o pagamento de dividendos pela companhia aos seus sócios.

Fonte: Ignácio de Loyola Brandão, Escritor