Comércio de Teresina entra em greve nesta quinta-feira

A greve foi adiada para hoje em razão da mobilização popular na primeira fase da Copa do Mundo

Os trabalhadores do comércio de Teresina entram em greve a partir de hoje. A decisão foi tomada em uma assembleia geral, após várias tentativas frustradas de negociação com a classe patronal.

O Sindicato dos Comerciários de Teresina (SINDICOM) reivindica melhores condições de trabalho, vale alimentação e salário de quase mil reais. A greve foi anunciada duas semanas atrás, mas foi adiada por conta do jogo da Seleção Brasileira e o feriado.

De acordo com o SINDICOM, a greve visa atingir 100% do comércio, mas por conta do receio de perder o emprego, a maioria dos funcionários deverá ir trabalhar na manhã de hoje.

?Queríamos uma paralisação de todas atividades do comércio na capital, a partir das 7 horas da manhã, mas sabemos que a maioria dos trabalhadores não vai aderir à greve por medo de perder o emprego?, conta o presidente, José Pereira.

Mesmo com o indicativo de greve, a maioria dos comerciantes e lojistas ainda não decidiu se vai aderir à greve. O gerente, Gilmar Martins, diz não ter recebido nenhuma orientação por parte do sindicato.

?Não temos nenhum posicionamento ainda sobre a greve, é muito provável que iremos abrir amanhã. No ano passado fechamos as portas por alguns momentos para apoiar a greve, mas este ano ainda não sabemos?, afirma.

O Sindicato promete ir às ruas hoje com carros de som para incentivar os funcionários das lojas do centro a fecharem e paralisarem suas atividades. ?Estamos abertos a negociações, a greve irá durar até a classe patronal resolver atender nossas reivindicações?, esclarece o presidente do SINDICOM.

As negociações estão sendo feitas há mais de quatro meses. Dentre as reivindicações, estão: o direito ao vale-alimentação, melhores condições de trabalho, piso de 865 reais, além da regulamentação do plano de saúde que já é oferecido para 90% dos trabalhadores.

Para o Sindicato o vale-alimentação é primordial, apesar de 60% dos trabalhadores já receberem os valores que variam entre R$ 7,50 a R$ 9,00 reais, o desejo do Sindicato é estender a toda classe com o mesmo valor.

Fonte: Rhauan Macedo