No Piauí, a cada dia surgem empresas da área da construção civil

No Piauí, a cada dia surgem empresas da área da construção civil por causa da facilidade dos financiamentos.

Hoje, um bom negócio para as construtoras no Piauí é o Financiamento à Produção de Imóveis da Caixa Econômica. O sistema é destinado a empresas do ramo da Construção Civil em geral, que queiram construir unidades habitacionais. Com ele, o empreendedor da área pode dedicar-se apenas à construção, sem outras preo-cupações ? a Caixa garante o repasse dos recursos de que as obras precisam para serem feitas e ainda consegue clientes para as casas.

A linha de crédito é exclusiva para o financiamento à produção de empreendimentos habitacionais, comerciais e mistos, destinada a empresas cons-trutoras, incorporadoras ou Sociedades de Propósito Específico (SPE). O financiamento pode ser com recursos do FGTS e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). Bom para a empresa e para o futuro cliente do imóvel, esse tipo de financiamento cresceu em 2012 cerca de 50% no Piauí em relação ao ano anterior.

Em 2011 a Caixa investiu mais de R$ 670 milhões no Piauí em financiamento para construtoras. Neste ano o montante de investimento do banco já soma quase R$ 470 milhões até o dia 20 deste mês. A meta da instituição é alcançar R$ 1 bilhão até o final deste ano. Hoje já são mais de 8.300 financiamentos realizados em 2012 com mais de 40 construtoras de Teresina e do interior do Piauí. O Gerente Regional de Negócios da Caixa no Piauí, Elizomar Guimarães, fala dos benefícios para as empresas que realizam esse tipo de financiamento.

?Quando uma empresa nos procura ela quer a garantia de que não vai faltar dinheiro para a cons-trução e também não vai faltar dinheiro para o cliente adquirir o imóvel. E são justamente esses os principais benefícios para as construtoras. Elas não têm nenhuma preocupação com falta de recursos. O dinheiro todo é da Caixa. Além disso, damos a garantia de que ao final da obra a empresa terá clientes para adquirir o imóvel?, garante.

Fonte: Djalma Batista