Consumo das famílias alavanca expansão da economia, diz IBGE

Agropecuária tem resultado atípico e cai 7,3% na comparação com 4º trimestre de 2011

Apesar dos setores industrial e de serviços terem crescido 1,7% e 0,6%, respectivamente, no primeiro trimestre deste ano, em relação ao quarto trimestre anterior, o que contribuiu efetivamente para o aumento de 0,2% do PIB (Produto Interno Bruto, que é a soma das riquezas de um país) no mesmo período, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), foi o crescimento no consumo das famílias.

A despesa dos brasileiros aumentou 2,5% em relação ao primeiro trimestre de 2011, o que representa a 34ª variação positiva consecutiva nessa base de comparação.

A gerente de Contas Nacionais do instituto, Rebeca Palis, explica que o aumento das despesas dos brasileiros se deve, principalmente, ao crescimento do setor de informação e do comércio varejista.

Segundo ela, embora o gasto do governo tenha aumentado mais, 3,45%, as despesas dos brasileiros têm um peso três vezes maior para o aumento do PIB.

? Os serviços de informação cresceram muito, puxado pela telefonia móvel, e o comércio varejista também. Isso está ligado ao consumo das famílias. Esta taxa, apesar de ser inferior à das despesas do governo, tem uma contribuição maior ao PIB. O consumo das famílias contribui mais positivamente ao crescimento do PIB porque tem um crescimento três vezes maior.


Consumo das famílias alavanca expansão da economia no 1º trimestre, segundo IBGE

De acordo com Rebeca, a desaceleração no crescimento da indústria e dos serviços se deve ao aumento da inadimplência e à queda das intermediações financeiras.

? A indústria ainda continua em um ritmo devagar, um pouco melhor do que o registrado no quarto trimestre do ano passado. Os serviços continuam crescendo, mas também em um ritmo menor, afetados pela parte de intermediação financeira e seguro, que vinha sendo uma das atividades econômicas que mais crescia desde 2006 e, neste trimestre, teve um crescimento bem baixo, por causa do aumento na inadimplência, e na baixa na taxa de juros, que é a remuneração do setor.

O resultado atípico foi o da agropecuária, que vinha crescendo nos outros trimestres e, nesta comparação, segundo o IBGE, caiu 7,3%. A indústria gerou aproximadamente R$ 230 bilhões no primeiro trimestre contra cerca de R$ 45 bilhões arrecadados pelo setor agropecuário no mesmo período.

? A agropecuária que, no ano passado teve um resultado muito bom, registrando crescimento de produção, este ano, enfrenta problemas climáticos, com a estiagem no Sul e no Nordeste, por exemplo. Isso prejudicou muito a safra de soja. Foi um prejuízo muito grande nas contas na área da agropecuária do Brasil.

No que se refere ao setor externo, as compras de bens e serviços do exterior (importações) cresceram em ritmo superior ao das vendas para outros países (exportações): 1,1% contra 0,2%.

No acumulado dos quatro trimestres, o PIB cresceu 1,9%, resultado que mantém a trajetória de desaceleração observada desde o quarto trimestre de 2010.

Fonte: r7