Contratação de temporários no Brasil deverá ultrapassar 133 mil no segundo semestre

Contratação de temporários no Brasil deverá ultrapassar 133 mil no segundo semestre

Vagas de emprego para Dia das Crianças e Natal começam a surgir em setembro

O Brasil deverá criar 133,7 mil empregos temporários entre os meses de julho e dezembro deste ano, segundo estimativa da Assertem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário). A projeção leva em conta o aumento médio anual de contratações temporárias, que está atualmente na casa dos 7%. No segundo semestre do ano passado, pelo menos 125 mil pessoas foram contratadas dessa forma, sendo que cerca de 30 mil conseguiram efetivação, de acordo com a diretora de comunicação da associação, Jismália Oliveira Alves.

- O trabalho temporário acontece o ano inteiro, sendo que a indústria começa a contratar antes porque tem que produzir com antecedência e o comércio mais no segundo semestre. Nosso setor cresce, em média, 7% ou 8% ao ano. Como o crédito está acessível ao consumidor, ele vai às compras e são necessários mais vendedores nas lojas. Se a dinâmica continuar a mesma, ultrapassaremos a marca do segundo semestre do ano passado. Só nas férias de julho deste ano, 15 mil vagas de trabalho temporário foram preenchidas no país, segundo a Assertem.

O número representa um aumento de 16,6% em relação ao mesmo período de 2009, quando 12,5 mil pessoas foram contratadas por tempo determinado. Porém, vale lembrar que, em meados do ano passado, o Brasil sofria os efeitos da crise financeira mundial. Das 15 mil vagas criadas em julho, 10,5 mil foram demandadas pelas áreas de lazer e entretenimento e as outras 4.500 vagas ficaram divididas entre a indústria e o comércio, afirma Jismália. - Cerca de 2.400 trabalhadores temporários foram efetivados e 3.400 estavam no primeiro emprego no Brasil.

Ou seja, o trabalho temporário deve ser encarado como uma forma de inserção do jovem no mercado de trabalho. O trabalhador temporário fica até três meses no emprego, sendo que o contrato pode ser prorrogado por mais três. O empregado ganha hora extra, tem direito aos mesmos benefícios dos funcionários com vaga fixa – como vale-alimentação e vale-transporte – e o tempo de serviço conta para a aposentadoria. As únicas desvantagens do temporário em relação ao trabalhador celetista com contrato fixo é que ele não tem direito à multa do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) nem a aviso prévio.

Fonte: R7, www.r7.com