Copom prevê risco maior de aumento da inflação e acima da meta em 2014

Na semana passada, colegiado decidiu elevar Selic de 7,25% para 7,50%

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou em ata divulgada nesta quinta-feira (25) que a decisão da semana passada de elevar a taxa de juros, de 7,25% para 7,50% ao ano, se deve à necessidade de ?neutralizar risco? de disparada da inflação no país, principalmente em 2014.

?O julgamento de todos os membros do Copom é convergente no que se refere à necessidade de uma ação de política monetária destinada a neutralizar riscos que se apresentam no cenário prospectivo para a inflação, notadamente para o próximo ano?, informa ata do Copom.

No documento, porém, há a ressalva de que parte dos membros do colegiado ponderou durante a reunião da semana passada que a elevação da Selic nesse momento não seria ?recomendável? já que mudanças previstas para o crescimento da economia internacional nos próximos anos tenderiam a impactar o aumento dos preços no mercado brasileiro e a frear a inflação.

?Parte do comitê, entretanto, pondera que está em curso uma reavaliação do crescimento global e que esse processo, a depender de sua intensidade e duração, poderá ter repercussões favoráveis sobre a dinâmica dos preços domésticos. Para esses membros do Comitê, não seria recomendável uma ação imediata da política monetária?, diz a ata. De acordo com o texto, porém, ?essa visão não foi respaldada pela maioria do colegiado.?

Ainda na ata, o Copom informa que sua previsão para a inflação em 2013 se manteve estável em relação ao índice considerado na reunião anterior, de março ? acima da meta central de 4,5%. O colegiado relata, porém, que sua previsão para a inflação de 2014 aumentou em relação ao mês passado.

?Para 2014, a projeção de inflação aumentou em relação ao valor considerado na reunião do Copom de março e se encontra acima do valor central da meta, no cenário de referência?, diz o documento.

O Copom ainda manteve inalteradas as suas previsões para 2013 para reajuste da gasolina (5%), recuo no preço da conta de luz residencial (15%), preço do bujão de gás (estável) e redução na conta de telefone fixo (2%).

Juros mais altos

Para tentar conter a inflação elevada, o Copom decidiu, em sua última reunião, no dia 17 de abril, elevar a taxa de juros de 7,25% para 7,5% ao ano - a primeira alta da Selic desde julho de 2011 ? quando a taxa subiu de 12,25% para 12,5%. A taxa de 7,25% era o menor patamar histórico da Selic e vigorava desde outubro de 2012.

A alta dos juros não foi unânime entre os membros do colegiado: foram seis votos a favor e outros dois pela manutenção da taxa em 7,25%. Votaram pela elevação: Alexandre Tombini (presidente do BC), Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques. Já pela manutenção em 7,25%, votaram os membros Aldo Luiz Mendes e Luiz Awazu Pereira da Silva.

Já esperada por parte dos analistas de mercado, a decisão da semana passada interrompe o período de juros na mínima histórica, que nos últimos meses havia levado ao barateamento do crédito, com consequente aumento do consumo pelas famílias brasileiras. Com a subida dos juros, o BC pretende justamente desestimular o consumo interno e, com isso, interromper a alta dos preços.

Fonte: G1