Crédito para carros cresce 14% e passa dos R$ 148 bi

plano máximo de financiamento ofertado pelo sistema financeiro neste primeiro semestre apresentou elevação

em junho Da frota de 24,4 milhões de veículos comerciais leves em circulação no Brasil, 56% possuem financiamento ativo, apontou levantamento da Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), referente ao primeiro semestre deste ano. Esse volume equivale a cerca de 14 milhões de consumidores, sendo que 38,6% têm financiamento por operações de CDC (Crédito Direto ao Consumidor) ou consórcio, 14,4% possuem arrendamento mercantil e 3% contam com algum outro tipo de financiamento (penhor mercantil, reserva de domínio, etc).

O saldo total das carteiras de leasing e CDC para aquisição de veículos pelas pessoas físicas, registrou avanço de 14,7%, passando de R$ 129,4 bilhões em junho do ano passado para R$ 148,5 bilhões no mesmo período de 2009. Consideradas separadamente, a carteira de leasing cresceu 43,1%, passando de R$ 45,5 bilhões em junho de 2008 para R$ 65,1 bilhões em junho deste ano.

Já o saldo da carteira de CDC teve uma retração de 0,6%, saindo de R$ 83,9 bilhões para R$ 83,4 bilhões, comparando o mesmo período. O plano máximo de financiamento ofertado pelo sistema financeiro neste primeiro semestre apresentou elevação na comparação com o mesmo período do ano passado, saltando de 72 meses para 80 meses, enquanto os planos médios estão em 41 meses. A inadimplência acima de 90 dias encerrou o período em 5,5% na carteira de CDC.

As taxas de juros em junho de 2009 seguem em tendência de queda. Nos primeiros seis meses do ano, a taxa média de juros praticada pelas associadas à Anef chegou ao patamar de 1,49% ao mês, enquanto no mesmo período do ano passado, a média mensal ficou em 1,65%. De acordo com a Anef, no primeiro semestre deste ano, 58% das vendas de automóveis e veículos comerciais leves foram a prazo.

Desse total, 27% ocorreram por meio de leasing, 26% foram por CDC e 5% por consórcio. Em relação às vendas de veículos comerciais (caminhões e ônibus), 54% foram por Finame, 22% por leasing, inclusive Finame Leasing, 12% por CDC e 2% por meio de consórcio. No setor de motocicletas, 42% das vendas ocorreram por meio de CDC, 32% por consórcio e 3% por meio de leasing.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br