Criação de empregos no Brasil deve ter ritmo menor já em 2012

O alerta faz parte da 50ª edição do boletim “Mercado de Trabalho: conjuntura e análise”.

Os dados referentes ao mercado de trabalho metropolitano brasileiro apontam um bom desempenho ao longo de 2011, mas é preciso adotar uma ?posição cautelosa em relação aos prognósticos para os próximos meses?, já que há claros sinais de desaceleração da economia brasileira.


Criação de empregos no Brasil deve ter ritmo menor já em 2012

O alerta faz parte da 50ª edição do boletim ?Mercado de Trabalho: conjuntura e análise?, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (1º). O estudo destaca que a atividade econômica passou a dar sinais de desaceleração a partir do terceiro trimestre de 2011.

?O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro não apresentou crescimento no terceiro trimestre de 2011 na comparação com o segundo trimestre. Os indicadores com informações disponíveis para o quarto trimestre, tal como vendas no varejo e produção industrial confirmam tal tendência. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2011 acumulando alta de 6,50%, acima da taxa do mesmo período de 2010, que foi de 5,79%?, destaca o boletim do Ipea.

Com relação ao mercado de trabalho, o instituto reforça que houve continuidade do aumento do nível de emprego e da massa salarial ? citando que estes fatores tendem a contribuir para a continuidade de crescimento da economia.

?À primeira vista, os indicadores analisados apontam um bom desempenho do mercado

de trabalho brasileiro em 2011. A taxa de desocupação manteve uma trajetória descendente

atingindo, em dezembro, 4,7%, o que vem a ser a menor taxa já registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) desde 2002?, diz o estudo.

Segundo o Ipea, a informalidade também se manteve em patamares bem abaixo dos anos anteriores e os rendimentos mantiveram uma trajetória ascendente. ?Podemos destacar também o aumento dos rendimentos reais em comparação com 2010, alcançando em dezembro o valor mais elevado para os meses de dezembro da série histórica da PME, R$ 1.650,00.?

Entre os indicadores que reforçam a necessidade de uma ?posição um pouco mais cautelosa? estão a estagnação no crescimento da população ocupada observada no último trimestre 2011 e o fato de o emprego industrial ter mostrado claros sinais de perda de dinamismo, o que preocupa pelos elos de encadeamento deste setor com o restante da economia.

?Em que pese o fato de que o setor terciário vem sendo responsável em grande medida pelo bom desempenho do nosso mercado de trabalho nos últimos anos, será necessário um desempenho cada vez melhor desse setor para a manutenção desse quadro, caso a indústria não reverta a tendência de queda mencionada.?

Fonte: G1