Depois de Santander e HSBC, Itaú e Bradesco também reduzem juros

Depois de Santander e HSBC, Itaú e Bradesco também reduzem juros

As novas taxas entram em vigor na segunda-feira (23)

O Itaú Unibanco completou nesta quarta-feira a lista dos grandes que decidiram reduzir as taxas de juros. O Bradesco também fez o anúncio hoje, após HSBC e Santander. As novas taxas entram em vigor na segunda-feira (23).

Os quatro seguem um movimento iniciado pelo Banco do Brasil e pela Caixa no início deste mês. Os dois bancos públicos lançaram programas com taxas menores depois de reclamações da presidente Dilma Rousseff sobre o patamar elevado dos juros praticados pelo sistema financeiro no Brasil.

Desde então, o governo pressionava as instituições privadas a aderir ao movimento para diminuir as taxas oferecidas ao mercado. A medida seria também uma forma estimular a economia para garantir um nível de crescimento mais robusto neste ano.

Segundo o Itaú, todos os clientes com conta corrente terão o benefício de redução de taxas para financiamento de veículos e no crédito consignado INSS, para as novas operações contratadas nas agências da instituição.

"É natural que nas operações de crédito onde há mais garantias é sempre possível oferecer taxas mais baixas, como as do consignado e a de veículos. Aprimorar o ambiente regulatório é importante para obtermos taxas de juros mais baixas", Roberto Setubal, presidente do Itaú.

No caso do financiamento de veículos, a taxa mínima sofrerá redução de 8%. A nova taxa mínima será de 0,99% ao mês e será válida para clientes correntistas há mais de um ano, em operações com 50% de entrada e parcelamento em até 24 meses. Nos empréstimos consignados para beneficiários do INSS, a taxa mínima foi reduzida para 0,89%, e a máxima, para 2,20% ao mês.

BRADESCO

Com o anúncio da redução nesta quarta-feira, o Bradesco afirma que a decisão está em "consonância com os objetivos de estímulo ao crescimento econômico".

Clientes pessoa física do Bradesco encontrarão taxas menores nas linhas de financiamento de veículos, aquisição de bens, crédito pessoal e no consignado para aposentados do INSS. O limite de crédito para pessoa física foi elevado em R$ 9 bilhões.

O banco disponibilizou uma linha de R$ 1 bilhão voltada a micro e pequenas empresas, para capital de giro e aquisição de máquinas. A taxa será reduzida de 5,56% a 2,90%.

Citando um incentivo à produção e vendas do setor automotivo, o Bradesco promete oferecer um adicional de R$ 6 bilhões aos bancos ligados a montadoras.

Fonte: Folha