Desemprego cai em 2014 e chega a 6,8% no Brasil, segundo dados do IBGE

A média anual do desemprego ficou em 6,8%, segundo Pnad Contínua

O desemprego no Brasil no ano passado teve média de 6,8%, queda em comparação com 2013, quando foi de 7,1%, segundo o IBGE. Em 2012, no início da série histórica, o desemprego médio foi de 7,4%.


No 4º trimestre de 2014, o desemprego chegou a 6,5%, registrando aumento na comparação com o mesmo período de 2013, quando foi de 6,2%. No trimestre anterior, o índice era de 6,8%.

Os dados fazem parte da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) e foram divulgados pelo IBGE nesta terça-feira (10). Ela leva em conta dados de 211.344 domicílios particulares permanentes distribuídos em cerca de 3.500 municípios.

Nesta terça-feira, o IBGE também divulgou o nível de emprego na indústria brasileira em 2014. O índice caiu 3,2% no ano passado, a terceira queda anual seguida.

Desemprego é maior entre mulheres e jovens

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego entre mulheres é maior que a dos homens nas cinco regiões pesquisadas. No 4º trimestre, o nível entre as mulheres atingiu 7,7%, enquanto o dos homens foi de 5,6%.

O desemprego entre jovens de 18 a 24 anos permaneceu maior do que a média total, chegando a 14,1% no último trimestre do ano passado.
Cresce o número de carteiras assinadas

A taxa de trabalhadores com carteira assinada chegou a 77,7% no 4º trimestre de 2014, aumento de 0,6 ponto percentual em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Também aumentou o número de carteiras assinadas entre os trabalhadores domésticos, passando de 31,1% para 32,1%.

Desemprego foi de 4,8% segundo PME

No final de janeiro, o IBGE divulgou que o desemprego foi de 4,8% em 2014, de acordo com a PME (Pesquisa Mensal de Emprego). A pesquisa é baseada nos dados das regiões metropolitanas de Recife (PE), Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Salvador (BA), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS).

O IBGE cogitou acabar com a PME em 2015, substituindo-a pela Pnad Contínua Mensal, que é mais abrangente. O instituto decidiu mantê-la, porém, porque a Pnad Contínua é realizada há pouco tempo, tendo começado em 2012.

Assim, neste ano o IBGE vai divulgar duas pesquisas mensais de emprego, a PME e a Pnad Contínua Mensal, além da Pnad Contínua, com dados trimestrais.

Meta de criação de empregos não foi atingida

O Brasil teve criação de 396.993 vagas com carteira assinada em 2014, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego no mês passado.

O resultado ficou bem abaixo da meta do governo, que era de 1 milhão, e foi o menor desde 2002.

Fonte: UOL