Desemprego fica estável em 15,3% em maio

Contingente de desempregados é de 3 milhões em 6 cidades

O desemprego em seis regiões metropolitanas ficou estável em maio em relação ao mês anterior, segundo pesquisa da Fundação Seade/Dieese. Em Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal, a taxa de desemprego se manteve em 15,3%, ficando estável pelo segundo mês consecutivo.

O contingente de desempregados foi estimado em 3 milhões de pessoas, 17 mil a mais do que no mês anterior. Esse aumento no número de desempregados, porém, não foi suficiente para alterar a taxa de desemprego, que seguiu em 15,3%.

A taxa de desemprego aberto (10,9%) e a de desemprego oculto (4,4%) também ficaram estáveis. Desemprego oculto é aquele em que o trabalhador está empregado precariamente ou desistiu de procurar vagas.

A taxa de desemprego teve comportamentos distintos nas regiões pesquisadas: aumentou em Salvador e Porto Alegre; manteve-se em relativa estabilidade em Belo Horizonte e São Paulo; e declinou no Distrito Federal e Recife.

Houve criação de vagas nos serviços (60 mil), na construção civil (19 mil) e nos outros setores (12 mil). O comércio se manteve praticamente estável (criação de 5 mil vagas) e a indústria fechou vagas (16 mil).

Rendimentos

Em abril, o rendimento médio real dos trabalhadores subiu pouco (0,3%), passando a ser de R$ 1.210. Já o salário médio real cresceu 1,0%, para R$ 1.288.

O rendimento médio real dos ocupados aumentou em Belo Horizonte e São Paulo, ficou estável no Distrito Federal e diminuiu em Recife, Porto Alegre e Salvador.

São Paulo

Depois de três meses em ascensão, o desemprego na região metropolitana de São Paulo caiu em maio. A taxa apurada pelo Seade/Dieese passou em maio para 14,8%, após os 15% registrados em abril.

A taxa de desemprego aberto variou de 10,9% para 10,8% e a de desemprego oculto, de 4,1% para 4,0%.

O número, no entanto, é superior aos 14,1% registrados em maio de 2008. O contingente de desempregados na região metropolitana de São Paulo caiu em 4 mil, para 1,564 milhão de pessoas.

Só o setor de comércio fechou vagas no mês de maio ante abril na região metropolitana de São Paulo, apresentando corte líquido de mil postos de trabalho. A indústria registrou criação líquida de 30 mil vagas.

O setor de serviços apresentou elevação de 37 mil postos, enquanto a categoria "outros" (que engloba construção civil e serviços domésticos) gerou 49 mil empregos.

De acordo com a pesquisa, em abril o rendimento médio real dos ocupados em São Paulo subiu 0,9% em relação a março e passou a valer R$ 1.253,00. Em março, este valor era de R$ 1.242,00.

O salário médio real avançou 1,6% na região metropolitana de São Paulo em abril, ante março, e atingiu a marca de R$ 1.312,00. Na comparação com abril de 2008, o rendimento médio dos ocupados na região metropolitana de São Paulo caiu 1,9%, pois no mesmo mês do ano anterior valia R$ 1.277,00. A massa rendimentos dos ocupados interrompeu uma sequencia de três meses de queda e apresentou um crescimento de 1,2% em abril ante março.

Fonte: g1, www.g1.com.br