Desemprego no país em abril é o menor para o mês desde 2002

Desemprego no país em abril é o menor para o mês desde 2002

Desemprego em abril tem o menor patamar para o mês em 11 anos

O desemprego brasileiro subiu para 5,8% em abril, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (23). Esse é o menor resultado verificado para o mês desde 2002. Em abril do ano passado, o desemprego ficou em 6%. Em março deste ano, foi de 5,7%,

A população desocupada no mês somou 1,414 milhão de pessoas, mas não mostrou variação significativa na comparação mensal, de acordo com o instituto. A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

O bom momento do emprego no país tem dado motivos de comemoração para o governo federal. Na segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff destacou a criação de quase 4 milhões de postos de trabalho com carteira assinada desde o início do governo, em 2011, de acordo com dados levantado pelo Ministério do Trabalho no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

" Chegamos a essa marca histórica agora no mês passado, em abril, quando foram gerados quase 200 mil novos postos de trabalho", disse Dilma em seu programa de rádio semanal "Café com a Presidenta".

Emprego formal fica estável no mês, mas cresce 3,1% em relação a 2012

Em relação a março, também foi verificada estabilidade pelo IBGE na população ocupada, com 22,906 milhões de pessoas, e o número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado, com 11,452 milhões. Em relação a abril de 2012, no entanto, foram criados 342 mil postos de trabalho formais, o que representa um crescimento de 3,1%.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores, avaliado na pesquisa em R$ 1.862,40, caiu -0,2% frente a março, mas cresceu 1,6% na comparação com o ano passado.

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados, ou seja, a soma de todos os rendimentos das pessoas ocupadas já considerando a inflação, foi de R$ 43,0 bilhões. O resultado mostrou-se estável ante março e cresceu 2,4% em relação a abril de 2012.

Diferentes levantamentos medem o desemprego no país. Os números do IBGE, por exemplo, são bem menores que os do Dieese/Seade.

As divergências ocorrem por causa das metodologias diferentes adotadas. A principal delas é que o IBGE mede apenas o desemprego aberto, ou seja, quem procurou emprego nos 30 dias anteriores à pesquisa e não exerceu nenhum tipo de trabalho -remunerado ou não- nos últimos sete dias.

Quem não procurou emprego ou fez algum bico na semana anterior à pesquisa não conta como desempregado para o IBGE.

O Seade/Dieese também considera o desemprego oculto pelo trabalho precário (pessoas que realizaram algum tipo de atividade nos 30 dias anteriores à pesquisa e buscaram emprego nos últimos 12 meses) e o desemprego oculto pelo desalento (quem não trabalhou nem procurou trabalho nos últimos 30 dias, mas tentou nos últimos 12 meses).

Fonte: UOL