Dilma Rousseff diz que redução de 18% na conta de luz começa nesta quinta

Dilma Rousseff diz que redução de 18% na conta de luz começa nesta quinta

A promessa inicial era reduzir as tarifas a partir do dia 5 de fevereiro.

Em pronunciamento em rede nacional, no rádio e na televisão, a presidente Dilma Rousseff anunciou na noite desta quarta-feira (23) que decidiu ampliar a redução das contas de luz e também antecipar o início do desconto.

Segundo afirmou a presidente, a partir desta quinta as contas residenciais ficarão 18% mais baratas, ao contrário dos 16,2% anunciados inicialmente. No caso da indústria, agricultura, comércio e serviços, a redução será de até 32%. A promessa inicial era reduzir as tarifas a partir do dia 5 de fevereiro.

"Acabo de assinar o ato que coloca em vigor a partir de amanhã uma forte redução na conta de luz de todos os brasileiros. Além de estarmos antecipando a entrada em vigor das novas tarifas, estamos dando um índice de redução maior que o previsto e já anunciado", afirmou Dilma no pronunciamento.

O anúncio serviu também para a presidente responder a críticas feitas à política econômica de seu governo e assegurar que não haverá racionamento de energia no Brasil.

A presidente não explicou, contudo, quanto será necessário desembolsar dos cofres públicos para bancar a redução. Nem a Aneel nem o Tesouro Nacional explicaram qual será o impacto dessa bondade adicional. A previsão inicial, para os percentuais antigos, era de que fossem aplicados R$ 3,3 bilhões do caixa federal.

"AJUSTE TÉCNICO""

Em meados de 2012, havia uma proposta no Ministério da Fazenda que previa um desconto para a indústria de até 30%, mas esse cálculo acabou sendo descartado à época por conta do aperto fiscal.

Nesta quarta, porém, outra explicação era dada na Esplanada: a de que o novo percentual deriva, na verdade, de um erro na conta, resolvido agora por um "ajuste técnico".

Além do efeito político, o objetivo do governo ao cortar a tarifa de luz é melhorar a competitividade da indústria brasileira e acelerar o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em um ano pós expansão medíocre.

"Além de garantir a redução estamos ampliando seu alcance e antecipando sua vigência. Isso significa menos despesas para cada um de vocês e para toda economia do país. Vamos reduzir os custos do setor produtivo e isso significa mais investimento, mais produção e mais emprego. Todos, sem exceção, vão sair ganhando", disse a presidente.

No último dia 14, Dilma Rousseff sancionou a lei autorizando a renovação dos contratos de geração de energia que estavam por vencer para as companhias que aceitassem reduzir suas tarifas.

A medida partiu da avaliação de que muitas empresas já haviam amortizado seus investimentos, mas ainda cobravam uma conta mais cara. A redução das tarifas vem, portanto, desse conjunto de renovações mais "baratas" e da redução e eliminação de encargos federais nas tarifas.

Durante o pronunciamento, Dilma garantiu que os consumidores das concessionárias que não aderiram ao plano do governo também pagarão menos. Elétricas de Estados comandados pelo PSDB --São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Goiás - ficaram de fora do programa de prorrogação de concessão em troca de redução das tarifas.

O PSDB acusou a presidente de quebrar contratos e intervir no setor. Já o governo reagiu alegando que o partido adversário preferiu defender os interesses de algumas geradoras no lugar de privilegiar o consumidor.

Para garantir uma redução média superior a 20% em todo o país, como prometido, Dilma prometeu bancar sozinha a diferença com recursos do Tesouro Nacional.

"Aproveito para esclarecer que o cidadãos atendidos pelas concessionárias que não aderiram ao nosso esforço terão ainda assim a conta de luz reduzida como todos os brasileiros. Espero que em breve até mesmo aqueles que foram contrários à redução da tarifa venham a concordar com o que estou dizendo", afirmou a presidente.

CRÍTICAS

Além de garantir que não vai ter racionamento de energia, Dilma também aproveitou o pronunciamento para atacar opositores e responder críticas, em especial às em relação a sua política econômica.

"Brasil tem e terá energia mais que suficiente para o presente, para o futuro, sem nenhum risco de racionamento ou de qualquer tipo de estrangulamento no curto, médio ou no longo prazo", disse a presidente.

Para Dilma, a situação é segura e, além de reduzir as contas de luz, o país vai praticamente dobrar sua produção de energia em 15 anos. A presidente explicou ainda que térmicas são sempre acionadas quando os reservatórios das hidrelétricas apresentam baixos níveis.

"Não há maiores riscos ou inquietações. Surpreende que desde o mês passado algumas pessoas por precipitação, desinformação, ou algum outro motivo, tenham feito previsões sem fundamento, quando os níveis dos reservatórios baixaram e as térmicas foram normalmente acionadas. Como era de se esperar essas previsões fracassaram", afirmou Dilma.

A presidente disse que os críticos "erraram feio" e que os "do contra estão ficando para trás".

Dilma respondeu aos críticos que, segundo ela, não acreditavam na redução da conta de luz, na queda dos juros e na redistribuição de renda. "O Brasil está cada vez maior e imune a ser atingindo por previsões alarmistas. Os últimos anos o time vencedor tem sido dos que têm fé e apostam no Brasil. Por temos vencido o pessimismo e os pessimistas, estamos vivendo um dos melhores momentos da nossa história", disse a presidente.

Ela finalizou o pronunciamento desta quarta dizendo que "somente construiremos um Brasil com a grandeza dos nossos sonhos quando colocarmos a nossa fé no Brasil acima dos nossos interesses políticos ou pessoais".

Fonte: Folha